Formulário de Busca

Depois de ser vaiado em estádio, Valdinar ataca líder do governo em encontro do PT

seg, 30/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Aconteceu de tudo no encontro do PT realizado neste final de semana em Imperatriz. Os petistas com cargos no governo e exercendo mandato, principalmente o deputado Valdinar Barros, tiveram de engolir cobras e lagartos dos militantes imperatrizenses diante dos últimos acontecimentos políticos do estado.

Depois de ser vaiado ao chegar ao estádio Frei Manoel Procópio, por ter apoiado e até debochado dos colegas de oposição que votaram contra o projeto do governo, Valdinar voltou a justificar sua posição desta vez atacando o líder do governo na Assembléia, Edivaldo Holanda (PTC).

“O PT tem uma resolução de apoiar o governo Jackson, além de participar do governo com secretarias e vários cargos. Depois, o governador Jackson disse que não vai retirar direitos e que esse projeto era um avanço para o funcionalismo público”, declarou o parlamentar, segundo uma fonte deste blogue presente ao encontro.

Ele completou: “Tive de fazer a defesa desse projeto porque sou vice-líder do governo. O líder do governo, Edivaldo Holanda, até um dia desse (sic) era do grupo Sarney e não tinha respaldo para defender um assunto como esse. Se a gente tá no governo, cabe a gente defender o governo.”

O deputado recebeu o troco na hora do professor Francisco Alves. “Não sei que projeto é esse que o Valdinar se refere como bom. Será que é esse que todos os servidores públicos maranhenses estão contra? Certamente não é o projeto aprovado na Assembléia na última terça-feira, em que se retirou direitos e que cortou salários”, ironizou.

Bases

Na defesa da cria política, o ex-prefeito Jomar Fernandes disse que o PT é maior que suas bases e seus militantes e se o partido havia fechado questão em defender o governo Jackson, deveria fazê-lo com afinco, sem pestanejar.

Questionado sobre a posição do também imperatrizense João Batista (PP), o ex-sem terra disparou meio que enciumado: “Esse sujeito aparece aqui como um bom moço e lá em São Luis faz o jogo do Sarney”.

A secretária Terezinha Fernandes (Trabalho), por sua vez, discordou do marido argumentando que a legenda e seus dirigentes deveriam receber com antecedência cópias de projetos polêmicos para não votar e apoiar algo que não conheciam.

Aliado de Jomar e Valdinar, Domingos Dutra fez apenas um pequeno comentário. “Tô indo visitar minhas bases no interior e depois vou a Brasília e só volto quando a poeira baixar. Eu não pari esse menino e por isso não vou criá-lo”.

O candidato derrotado ao Senado Bira do Pindaré, assessor especial do governo, também preferiu sair pela tangente. Limitou-se a dizer que o cargo que ocupava não era bem o que ele queria, ressaltando que não havia recebido nada do governo e mesmo assim estava contribuindo. “É mesmo, Bira! Tu só tá ganhando o contracheque”, retrucou o subsecretário Sílvio Bembem (Igualdade Racial), arrancando risos da platéia.

A possível aliança PT-PSDB para as eleições em Imperatriz não foi debatida no encontro para evitar desgastes. Jomar limitou-se a citar o empresário carioca Ernani Ferraz como um possível nome de consenso para as eleições 2008.

O ex-prefeito informou ainda que o deputado Sebastião Madeira havia lhe assegurado que o PSDB apoiaria o candidato que melhor aparecesse nas pesquisas com capacidade para derrotar o prefeito Ildon Marques (PMDB) e o deputado e João Batista.

Comandante da PM ameaça entregar o cargo pela 5ª vez

seg, 30/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Depois de uma discussão na quinta-feira com a secretária Eurídice Vidigal (Segurança Cidadã), que a levou às lágrimas, o comandante da PM, coronel Pinheiro Filho, voltou à carga um dia depois.

Durante evento na Associação da PM no Bairro de Fátima, ele fez um discurso duro dizendo já ter entregue o cargo quatro vezes e diante do projeto do governo acabando com uma série de benefícios dos PMs iria ficar ao lado da corporação e entregaria o cargo novamente ao governador.

“A tropa não pode acatar goela abaixo uma tunga salarial dessa natureza”, disse Pinheiro Filho para a perplexidade do vice-governador Luís Porto e do deputado federal Roberto Rocha, presentes ao evento.

O coronel entregou o cargo recentemente quando a Polícia Civil envolveu pela primeira vez o coronel Roberto Uchoa na morte do prefeito Bertin. Na quinta-feira, ele teve uma forte discussão com Eurídice Vidigal no Palácio Henrique de La Rocque.

Ao se encontrarem no prédio, os dois começaram a discutir e o comandante da PM acusou sua chefe imediata de estar “traindo” os militares ao defender somente a Polícia Civil, principalmente na questão salarial.

Segundo testemunhas, Pinheiro Filho teria afirmado que a secretária estava “traindo” a corporação. “Traidor é o senhor! Vou falar com o governador para ele decidir entre eu e o senhor”, teria afirmado Eurídice em tom de voz alterado.

“Faça o que a senhora quiser”, teria respondido o comandante da PM também em voz alta. Após o episódio, a secretária teria chorado.

É mais um abacaxi para o governador Jackson Lago descascar.

Jackson, Porto e Valdinar: “traidores”

dom, 29/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Continuam os protestos contra o projeto do governador Jackson Lago que mandou para o espaço conquistas históricas dos servidores públicos.

Durante o jogo Sampaio e Imperatriz, realizado sábado, um torcedor exibiu a faixa da foto acima chamando o governador Jackson Lago, o vice Luís Porto e o petista Valdinar Barros de “traidores”.

A faixa está assinada pelo Sinproessema (Sindicato dos Professores do Estado), o que indica que o manifestante era um professor revoltado com o projeto.

O estádio estava lotado, com mais de 10 mil pessoas. O vice-governador e os deputados petistas Domingos Dutra e Valdinar Barros estavam presentes.

Valdinar chegou ao estádio acompanhado de Dutra e dos “companheiros” Márcio Jardim e Bira do Pindaré. Foi logo cercado por eleitores e torcedores que o xingaram e o vaiaram e ainda o chamaram de “traidor”. Nesse momento, os seus acompanhantes saíram de perto dele de fininho.

Segundo conta Antonio Pinheiro, que publicou a foto no seu flogão, uma turma de puxa-saco do PT de Imperatriz e um assessor do deputado tucano Sebastião Madeira tentaram rasgar e tomar a faixa do manifestante.

Como se vê, os oposicionistas de ontem, além de ajudarem a prejudicar os trabalhadores, não gostam de ser criticados.

Veja a foto clicando aqui http://www.flogao.com.br/pinheirofoto

Nota: Matéria alterada às 23h para acréscimo de informações.

Morte de Bertin ainda vai assombrar muita gente

dom, 29/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Quanto mais o deputado Paulo Neto reza mais a assombração da morte de Bertin parece aparecer à sua frente. É essa uma das conclusões que eu pude tirar depois de acompanhar 16 depoimentos em Vargem Grande colhidos pelo promotor Benedito Coroba, que apura a corrupção no município de Presidente Vargas.

Por mais que se tente separar a morte do prefeito (1º à esq. na foto) dos desmandos administrativos no município mais os fatos empurram a apuração para existência de uma conexão entre os dois casos.

“Acredito que há grande probabilidade de uma ligação profunda e intensa entre a corrupção na prefeitura com o crime. Tudo indica que existam pessoas muito influentes do nosso estado nesse caso. Há indicação que se previa e esperava impunidade”, diz o promotor.

Na quinta-feira, a polícia prendeu o vereador Antonio Uchoa, o Toni, como participante do crime. Sabe qual foi o principal fato que levou a Justiça a decretar a prisão? O depoimento de Paulo Neto e de Rosane, uma das secretárias de Bertin, que seria aparentada do deputado.

Nem a família da vítima acredita que Toni esteja realmente envolvido na morte do prefeito. “A gente viu com surpresa o aparecimento do nome do Toni. Se ele estiver realmente alguma coisa a ver com isso acredito que não esteja sozinho. Tinha alguém para patrocinar. A morte de Bertin não foi barata. Acredito que o Toni deve aparecer como um elo (ajudante nesse crime)”, disse Francisco Aguiar, um dos irmãos do prefeito.

O presidente da Câmara de Presidente Vargas, Ilson Mendes, que junto com Toni se reuniu com o prefeito no dia do crime e por conta disso estaria na iminência de ser preso, jura inocência.

“Eles (a polícia) estão querendo complicar as coisas. Estão citando pessoas que não têm nada a ver. Se quem matou está preso por que não fazem esses que mataram dizer quem mandou?”, questiona.

Corrupção

Todos os depoentes confirmaram as denúncias já divulgadas pela imprensa sobre os desvios de recursos na prefeitura. Houve apenas duas novidades: a professora Maria das Dores Barbosa, a Desa, ex-namorada de Bertin, disse ter visto no dia 8, dois dias após o crime, documentos do Banco Matone e uma lista com nomes de pessoas que teriam feito empréstimos junto à instituição financeira no carro da vítima, que está sob a guarda da polícia na Delegacia de Itapecuru.

O documento teria desaparecido, segundo declarações recentes do secretário Pedro Pote (Esportes), que sobreviveu à emboscada. Junto ao banco foram feitos empréstimos em nome de cerca de 40 “laranjas” no total de R$ 350 mil.

Outra novidade foi o depoimento de Maria dos Anjos, que toma de conta de uma pousada na entrada de Presidente Vargas. Ela contou que ano passado Josa deixou um pacote lacrado com etiqueta do Banco do Brasil com R$ 250 mil na pousada para ser entregue a Bertin, que pouco tempo depois apareceu para pegar o dinheiro.

Nova versão

A mais nova versão para o crime vem sendo espalhada a partir de alguns gabinetes importantes do Palácio dos Leões. É a seguinte: Bertin teria sido morto porque estaria mantendo um relacionamento amoroso com a mulher de um figurão da região. Seria, nessa versão, um crime passional.

Para complicar mais a história apareceu agora uma garota de 13 anos, identificada por Bruna, que já tinha prestado depoimento à polícia, contando que na noite do crime estava mantendo relações sexuais com o soldado Raimundo Salgado, um dos PMs que está preso acusado de executar o prefeito.

Ela esteve com uma amiga na Secretaria de Segurança Cidadã para desfazer seu primeiro depoimento onde contou que não esteve com o policial nesse dia. Bruna não conseguiu ser ouvida pelos delegados que investigam o caso. É mais um provável “furo” na investigação feita pela polícia.

Enquanto tudo isso acontece, o empresário Josivan Garreto, o Josa, irmão de Paulo Neto, que nunca prestou depoimento ao grupo de delegados que investigam o caso, continua tranqüilo. Ele foi visto há alguns dias passeando de bicicleta por Mata Roma.

A foto da semana

sáb, 28/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Manifestante chuta carro do chefe da Casa Civil, Aderson Lago, durante manifestação na porta do Palácio dos Leões. Ele foi xingado e impedido de entrar no palácio.

Festival de informações e denúncias

sex, 27/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Estou desde às 8h30 na cidade de Vargem Grande acompanhando cerca de 17 depoimentos que ainda estão sendo colhidos pelo promotor Benedito Coroba a respeito da roubalheira na Prefeitura de Presidente Vargas. Eles entrarão pela madrugada e dois deles só serão colhidos neste sábado pela manhã.

É tanta informação que o promotor disse que ainda terá de “processar” algumas delas para, a partir daí, tirar algumas conclusões. Mas uma coisa todo mundo confirma: o irmão agora renegado do deputado Paulo Neto, Josivan Garreto, o Josa, é quem mandava e desmandava no dinheiro do município.

São cada vez mais fortes – e Coroba acredita fortemente nessa hipótese – que o roubo na prefeitura tem tudo a ver com a morte do prefeito. Foi denunciado nos interrogatórios que os vereadores recebiam propina de R$ 1 mil do prefeito, o que aliás, é um fato que acontece cerca de 80% dos municípios do Maranhão.

Ninguém por aqui, inclusive a família da vítima, acredita que o vereador Toni, se é que realmente esteja envolvido nesse crime, está sozinho nessa empreitada. Tem alguém maior por trás dele.

As testemunhas estão confirmando todas as informações já divulgadas pela imprensa a respeito do desvio de dinheiro de Presidente Vargas. Os nomes dos deputados Paulo Neto e Soliney Silva estão no meio da fogueira.

Pelo jeito, as notícias sobre a morte de Bertin não vão cessar mesmo com o envio do inquérito policial à Justiça. E eu continuo esperando o interrogatório de Josa pela polícia. O seu primeiro “depoimento” se transformou num “bate-papo” com o único delegado que o interrogou.

Simão Cirineu, o salvador da pátria

qui, 26/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Diante da péssima repercussão do projeto que acabou com várias garantias históricas dos servidores públicos, o governador Jackson Lago (PDT) teria pedido auxílio do ex-secretário Simão Cirineu (Planejamento), atualmente no Governo de Minas Gerais, para tentar refazer algumas besteiras constantes da proposta aprovada pela Assembléia.

Cirineu teria com missão carregar mais essa cruz e tentar reparar os “furos” da projeto, numa espécie de remendo que o governo enviará ao Legislativo.

Como já afirmei em post anterior, a proposta do governo era tão maluca que não previa sequer o pagamento do salário-mínimo de R$ 380 para os servidores do Executivo.

Foi preciso a deputada Helena Heluy (PT) fazer uma emenda para corrigir o equívoco.

Policial morto em serviço não terá mais promoção

Uma fonte do governo informa a este blogue que depois de estudar detalhadamente o projeto descobriu mais uma maldade com os policiais. Segundo a fonte, nas várias leis extintas com a aprovação da proposta está a que garantia promoção ao policial morto em missão.

Isso quer dizer que os dois PMs mortos anteontem em conflito com um bandido em Santa Helena não terão mais direito a promoção. Antes do projeto, a medida visava dar pelo menos um alento à família e principalmente à viúva do policial morto em serviço.

Deputado petista é vaiado

Logo após ter declarado que o PT tinha de apoiar o projeto do governador até “dentro d’água”, o petista Valdinar Barros levou uma sonora vaia dos sindicalistas e populares que se encontravam na galeria da Assembléia. Foi chamado até de “pelego” por um deles.

Hoje pelos corredores do Legislativo, a revolta de alguns servidores era grande com o ex-sem terra.

Tortura nunca mais!

O governo do Maranhão aderiu hoje ao Plano de Ações Integradas para Prevenção e Controle da Tortura, lançado no ano passado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República.

O termo de adesão foi assinado pelo governador e o ministro Paulo Vanucci (Direitos Humanos) hoje à tarde no Salão de Atos do Palácio dos Leões. “Temos consciência de que é preciso empenho para mudar essa cultura tão propícia a desvios”, disse Jackson.

É uma pena que a adesão a esse plano tenha chegado após a morte de Bertin, Gerô e do projeto que está “torturando” os bolsos dos servidores estaduais.

A foto de Paulo Soares mostra o governador cabisbaixo ao lado do ministro.

Batendo-cabeça

Os delegados que investigam a morte do prefeito Bertin estão batendo-cabeça. Durante a prisão do vereador Antonio Uchoa, o Toni, hoje pela manhã, o delegado Rafael Leite disse que existem “indícios” da participação do acusado como “executor” do crime.

Já o superintendente de Polícia do Interior, Joviano Furtado, incluiu o preso na lista de “mandantes” da morte do prefeito.

Assessoria em ação

A Assessoria de Comunicação da Assembléia não aprende mesmo. Hoje o deputado Ricardo Murad (PMDB) iria voltar à carga da Tribuna da Casa contra o órgão por conta do programa “Assembléia em Ação”, que tratou do projeto do governo que mutilou as gratificações e vantagens dos servidores.

O líder oposicionista iria reclamar do fato da “reportagem” apresentada no programa ter excluido os oposicionistas e mostrado apenas a versão dos governistas, com o líder Edivaldo Holanda (PTC) contando as “maravilhas” do projeto. No entanto, o programa esqueceu do célebre posicionamento do parlamentar chamando de “penduricalhos” tais vantagens e gratificações dos servidores.

“A assessoria é dos deputados e não do governo”, disse Ricardo, que só não detonou o caso por causa do pedido de alguns colegas diante da promessa de uma reunião com o presidente João Evangelista (PSDB).

Servidores elegem o “Melô de Jackson”

qui, 26/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

Os servidores públicos estaduais já escolheram a música que melhor representa o projeto do governador Jackson Lago, aprovado pelos senhores deputados, que acabou com direitos históricos de várias categorias.

Apelidado por eles de “Melô de Jackson, a música “Vou Festejar”, de Beth Carvalho, está virando hit entre os barnabés estaduais, principalmente por causa do refrão “você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão”.

Ontem ela foi cantada pelos professores na porta da Assembléia. O vídeo mostra a sambista no Mineirão lotado. Mas essa cena caberia com uma luva no Castelão lotado de servidores e eleitores do 12.

Caso Bertin

qui, 26/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria


Polícia prende vereador Toni. E Josa, irmão renegado de Paulo Neto, quando vai depor?

A polícia realizou hoje seu grande sonho em relação ao caso do assassinato da morte do prefeito de Presidente Vargas, Raimundo Bartolomeu, o Bertin, executado por PMs no dia 6 de março: prendeu um possível mandante do crime – o vereador Antonio Uchoa Frazão Filho, o Toni (PT do B).

No início das investigações o vereador (foto) denunciou que o deputado Paulo Neto, no domingo após o crime, garantiu à família de Bertin que “na próxima semana estará tudo resolvido”. “Terça-feira a polícia prende os vereadores e o prefeito pelo assassinato”, teria afirmado o deputado.

Mais recentemente, ele denunciou que foi “torturado psicologicamente” pelos delegados durante depoimento na Delegacia de Itapecuru, onde chegou às 8h e só foi ouvido por volta das 20h. A polícia tenta fazer uma ligação de parentesco de Toni com o coronel Roberto Uchoa devido ao sobrenome. “Nem conhecia esse coronel”, disse ele há 15 dias.

O que complicou Toni foi um almoço do qual ele e o presidente da Câmara de Presidente Vargas, Ilson Mendes (PSDB), participaram com a vítima, no restaurante Picuí, no dia do crime.

Antes desse encontro os vereadores teriam ligado para Bertin pedindo dinheiro para não endossarem o requerimento da vereadora Raimunda Rodrigues, a Doquinha (PTB), que pretendia apurar os desvios de recursos na prefeitura.

Quem fez essas revelações foi uma personagem que ainda não foi divulgada pela mídia. Ela se chama Josiane e era secretária do prefeito assassinado. Foi a última pessoa para quem a vítima ligou, por volta das 20h30, no dia 6 de março. Ela esteve com o prefeito nesse mesmo dia.

Josiane, na verdade, seria uma “olheira” do deputado Paulo Neto na Prefeitura de Presidente Vargas e junto ao próprio Bertin. Ela é estudante do Ceuma e foge da imprensa como o diabo da cruz.

Como secretária sabia de todos os passos da vítima. Segundo ela contou em dois depoimentos à polícia, no dia crime o prefeito revelou que estava sendo ameaçado de morte e que Ilson e Toni queriam dinheiro.

Toni disse, no entanto, que nesse dia o prefeito pediu que ele e o presidente da Câmara não apoiassem o requerimento de Doquinha porque estaria disposto a se livrar “de umas coisas ruins”. Na versão do vereador, essas “coisas ruins” eram o controle que Paulo Neto exercia na administração de Presidente Vargas.

Prisão

Voltando à prisão. Segundo disse o delegado Rafael Leite hoje pela manhã, contra Toni “há indícios” de participação no crime. Se a polícia fosse prender todo mundo contra quem “há indícios” nesse caso metade de Presidente Vargas estaria na cadeia. Já o superintende de Polícia do Interior, Joviano Furtado, diz que o vereador “é citado como mandante do crime”.

E mais: ele teve a prisão temporária de 30 dias decretada e está prestando depoimento neste momento na Secretaria de Segurança como indiciado. Quer dizer então que na política de segurança cidadã da secretária Eurídice Vidigal a pessoa é presa primeiro para depois ser ouvida?

Não estar se querendo aqui defender quem quer que seja. Mas se Toni estiver mesmo envolvido nesse crime, pela lógica, tem de ter alguém grande por trás dele. Note: se ele queria dinheiro do prefeito por que então matá-lo? A não ser que estivesse agindo a mando de alguém para ser beneficiado financeiramente no futuro – é a conclusão lógica.

O que chama atenção nesse caso é o fato da polícia não saber de qual PM era a algema 031 encontrada no pulso do prefeito morto. Segundo me contou o delegado Sólon Pinheiro, “o mais próximo que nós conseguimos chegar foi que ela pertenceria ao 1º Batalhão, mas o comando da polícia informa que não tinha o controle de qual militar usava esse material – havia o controle apenas das armas”.

Outra coisa: a polícia nunca fez a reconstituição do crime. Segundo Sólon, isso não é extremamente necessário porque os executores já estão identificados. Já o seu Josivan Garreto da Silva, o Josa, irmão renegado agora por Paulo Neto, nunca foi ouvido nesse caso.

Ele apareceu na secretaria para prestar esclarecimentos há mais ou menos um mês e foi ouvido por apenas um delegado. Segundo Josa mandou espalhar em Mata Roma, o “depoimento” dele foi na verdade um “bate-papo” sobre o caso.

Critiquei hoje pela manhã esse fato na rádio Mirante AM. Foi o bastante para o delegado Joviano Furtado avisar que Josa “vai ser ouvido na próxima semana”, justamente quando termina o prazo para a conclusão do inquérito. Só agora delegado, depois que já prenderam o “mandante”?

Valdinar: PT tem apoiar projeto de Jackson que prejudica servidores até “dentro d’água”

qua, 25/04/07
por Décio Sá |
categoria Sem Categoria

O ex-sem terra e deputado Valdinar Barros (PT) deixou cair sua máscara e de boa parte dos “companheiros” filiados à legenda – principalmente os que ocupam cargos no governo – durante a sessão desta quarta-feira na Assembléia.

O já folclórico parlamentar, integrante do baixíssimo clero da Casa, afirmou da Tribuna que por ser detentor de três secretarias e seis subsecretarias, o Partido dos Trabalhadores tem de apoiar os projetos do governador Jackson Lago (PDT) que prejudicam diversas categorias de servidores públicos até “dentro d’água”.

“Nós (PT) estamos compondo esse governo porque acreditamos no governador Jackson Lago. O PT hoje é governo e nós vamos defender na chuva ou no sol, dentro d’água e em qualquer lugar. Ele (Jackson) é a vontade do povo”, discursou ele numa referência aos projetos que estavam sendo votados.

Desde ontem a deputada Helena Heluy (PT) procura se desvincular do discurso de Valdinar. Ele vem afirmando que prefere deixar a legenda a ter de apoiar medidas que acabam com conquistas históricas dos trabalhadores.

As declarações de Valdinar, eleito com apenas 11 mil votos, deixaram alguns membros do PT chateados. Apesar de estarem no governo, muitos não querem nem saber da possibilidade de apoiar o projeto do governador diante da greve-geral que pode vir por aí.

Para o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais, Cleinaldo Castro Lopes, falta “esclarecimento e mais informação” ao petista. Já o presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Amon Jessen, disse que o parlamentar não teve compromisso algum com os trabalhadores ao votar a favor do projeto.

Valdinar, pelo jeito, está pouco se lixando para o que acham e dizem dele. Depois de alugar uma mansão na praia do Caolho, ele só quer mesmo é ser atendido no “Espaço Prime” do Banco do Brasil, reservado aos magnatas da cidade. É ou não é um vidão?!



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade