Formulário de Busca

Desvio milionário marca nova eleição em Bacabeira

sáb, 28/02/09
por Décio Sá |

calvet-cheque-bacabeira.jpg

O desvio de R$ 142,5 mil do Fundo de Previdência dos Servidores da Prefeitura de Bacabeira está agitando estes últimos dias da nova disputa pelo comando do município cuja eleição acontece neste domingo. Os eleitores de Centro Novo, Vila Nova dos Martírios e Amarante também voltam às urnas amanhã (veja aqui).

Disputam o cargo o ex-prefeito José Venâncio Correia Filho, o Venancinho (DEM), e Olga Calvet (PV), mulher do ex-prefeito Reinaldo Calvet (PMDB). No dia 10 deste mês o presidente da Câmara e prefeito interino da cidade, Alan Linhares (PTB), ajuizou duas representações contra o ex-prefeito – uma no juízo de Rosário e outra no Ministério Público acusando-o pelo desvio. Além da devolução do dinheiro corrigido aos cofres do município, ele pede que a justiça condene o peemedebista por ato de improbidade administrativa.

Calvet é acusado de sacar os 142,5 mil na boca do caixa no dia 14 de setembro de 2004 usando um cheque avulso (reprodução acima). Ele teria falsificado a assinatura do sobrinho Wendell Calvet – na época respondendo pela tesouraria da prefeitura – no cheque para poder sacar o dinheiro. Por lei, o recurso, fruto de recolhimento de contribuições dos funcionários, só pode ser usado para fins de aposentadoria do servidor. 

De acordo com o presidente do Fundo, Weberth Pinheiro Filho, co-autor das representações, os documentos comprovando o “rombo” nos cofres da Previdência de Bacabeira só foram descobertos em 2007 depois que o INSS já tinha arquivado processo para apurar o caso. Por conta disso, quer reabrir a investigação.

Defesa

Procurado pelo blog, Calvet não nega o desvio dos R$ 142 mil. Pede que a justiça vá a fundo no caso e insinua que Venancinho, então secretário de Finanças da Prefeitura de Bacabeira, seria o beneficiário dos recursos. Eles eram aliados.

Jackson Lago convoca “balaios”, manda raspar o cofre e traz sem terra José Rainha Jr. ao Maranhão

sáb, 28/02/09
por Décio Sá |
categoria Política local

jose-rainha-jr.jpgDe volta a São Luís após curtir o Carnaval em Fortaleza, o governador Jackson Lago (PDT) está mobilizando subordinados para a retomada do movimento “Balaiada” em defesa de seu mandato já que seu novo julgamento está marcado para a próxima terça-feira no TSE. A convocação gerou rumores ontem de uma possível renúncia do governador e do vice, com vistas a gerar algum embaraço jurídico diante de uma provável cassação.

Está marcada para hoje à tarde, na sede do PDT, reunião para discutir e armar estratégias para a mobilização nesses próximos três dias. Secretários estão até ameaçando servidores a comparecerem sob pena de demissão. À frente do movimento integrantes do PDT, como o secretário Weverton Rocha, o adjunto Eduardo Teles (Esportes e Juventude) e Olímpio Araújo (Juventude do PDT), e membros do PT com “boquinha” no governo tipo Sílvio Bembem (Igualdade Racial) e Bita do Pindaré (Assessoria Especial). Alguns “balaios” mais radicais estão defendendo a violência no caso de cassação do pedetista.

Mais uma vez o MST vai engrossar o movimento. Depois das estafúrdias declarações durante a sessão passada, quando ameaçou inclusive interditar portos, estradas e ferrovias no Maranhão, o líder João Pedro Stédile deve ficar fora da mobilização. O mais provável é que o movimento desloque ao estado José Rainha Júnior (foto), líder no Pontal do Paranapema onde o MST proveu 20 invasões durante o Carnaval.

O fato gerou críticas do presidente do STF, ministro Gilmar Mendes. Ele classificou como “crime” o financiamento público ao movimento. O ministro, com certeza, não sabe do que é capaz o governo Jackson Lago. Quem também deve desembarcar na cidade é o deputado Brizola Neto (PDT-RJ), cujo fato mais conhecido de sua carreira política é justamente ser neto do caudilho fundador do PDT. Está sendo aguardada anda a presença do  vice-presidente nacional do PSB e diretor geral da empresa binacional Alcântara Ciclona Space (ACS), Roberto Amaral.

AGENDA BALAIADA
Dia 28/02 (de 28/02 a 02/03)
Coluna dos Municípios: Carreata partindo dia 28.02 de Porto Franco, com chegada em São Luís dia 02.03). Distribuição de jornais e panfletos.
Dia 01/03 (domingo)- Carreata pelos bairros de São Luís ( Concentração Praça Maria Aragão às 9h).
Dia 02/03 (segunda-feira)-Durante o dia: Distribuição de jornais e panfletos
-16h.: Tribuna livre e Vale protestar (Canto da Viração)
-19h.30min.: Comício em defesa da Democracia (com convidados especiais) /
LOCAL: Acampamento Balaiada (frente ao Palácio dos Leões).
- 21:00 horas: Início da VIGÍLIA CÍVICA no ACAMPAMENTO BALAIADA
Dia 03/03 (terça-feira)-15h.: Concentração na frente do Palácio dos Leões.

Deu na Veja: “O MST invade, destrói e mata”

sáb, 28/02/09
por Décio Sá |

mst-jaime-amorim.jpg

São Joaquim do Monte (PE) - Começou com um bate-boca entre um grupo de sem-terra e cinco homens contratados para evitar que a fazenda Jabuticaba, no agreste pernambucano, reintegrada por ordem judicial, fosse novamente invadida por membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST. Dos seguranças, apenas João Arnaldo da Silva, de 40 anos, era profissional. Rafael Erasmo da Silva, de 20, e Wagner Luís da Silva, de 25, trabalhavam como mototaxistas em São Joaquim do Monte, a 137 quilômetros do Recife. José Wedson da Silva, de 20, e Donizete Souza, de 24, eram agricultores. Para fazerem bico como guardas, eles recebiam de 20 a 30 reais por dia trabalhado. Naquele sábado, era João quem estava à frente da discussão com os sem-terra, numa fazenda vizinha à Jabuticaba. No meio da briga, um dos invasores acertou-lhe um tiro na perna. João caiu e, imediatamente, recebeu uma bala na cabeça. Rafael, ao seu lado, foi o segundo a ser morto – também com um tiro na cabeça, que trespassou o capacete de motociclista que ele usava. Ao ver os colegas tombarem mortos, Wagner, Wedson e Donizete correram. Donizete conseguiu escapar. Wagner e Wedson, alcançados pelos sem-terra 1 quilômetro adiante, foram igualmente mortos como cães. Wagner levou um tiro na perna e dois na cabeça, um deles na nuca. Wedson recebeu um tiro na perna e dois no rosto – morreu de braços abertos, como quem pede clemência.

Com base nas marcas dos tiros e no depoimento de duas testemunhas oculares, o delegado Luciano Francisco Soares diz que os assassinatos não foram cometidos em legítima defesa, como afirma o MST. “As vítimas foram executadas”, resume ele. A polícia prendeu em flagrante e indiciou por homicídio qualificado Aluciano Ferreira dos Santos, líder do MST na região, e Paulo Alves, participante do grupo. Eles são acusados de perseguir e matar Wagner e Wedson. Os dois sem-terra apontados como assassinos de João e Rafael estão foragidos. Depois do crime, o MST teve o desplante de pedir “proteção” policial para seus integrantes. Como se isso não bastasse, o coordenador nacional do movimento, Jaime Amorim (foto), numa declaração que deixa evidente a régua moral pela qual seu grupo se pauta, afirmou: “O que matamos não foram pessoas comuns. Eles foram contratados para matar, eram pistoleiros violentos”. É mais uma declaração delinquente de um dos chefões do bando que, a pretexto de lutar pela reforma agrária, aterroriza o campo brasileiro desde 1990. Naquele ano, durante uma manifestação no centro de Porto Alegre, uma turba de sem-terra cercou um carro de polícia e, a golpes de foice, degolou o cabo Valdeci de Abreu Lopes, de 27 anos. Desde então, ao menos outros quarenta integrantes do MST foram acusados de homicídio (dois deles já foram condenados em primeira instância). Assinante da Veja leia mais aqui.

A reforma milionária do Jornal Pequeno

sex, 27/02/09
por Décio Sá |

jornal-pequeno-reforma.jpgO governo Jackson Lago (PDT) estaria bancando boa parte da reforma milionária porque passa o Jornal Pequeno. Só no prédio do matutino, localizado na Rua Afonso Pena 171 (foto), foram investidos cerca de R$ 600 mil. A parte interna foi ampliada para receber uma máquina imperssora offset, que permite a impressão em cores. Custo aos cofres públicos: mais R$ 600 mil na aquisição do novo equipamento – R$ 1,2 milhão no total. As informações são de fontes palacianas.

Oficialmente, os recursos estariam vindo das “gordas” verbas publicitárias do governo repassadas pela Opendoor. No entanto, como revelou em 2007 o escândalo conhecido como “Mensalão da Secom”, o jornal (mais precisamente o diretor de redação Lourival Bogéa) recebia, em 2005, R$ 135 mil mensais por fora numa espécie de “Caixa 2″ durante o governo José Reinaldo (veja reprodução abaixo). O dinheiro teria servido para a montagem e manutenção da sucursal em Imperatriz (JP Imperatriz). Depois das denúncias o projeto foi abandonado. Na época a denúncia abriu uma crise na família porque ninguém sabia do “ganho extra” do diretor de redação.

Lourival Bogéa, que se esconde sob alcunha de Dr.Pêta para promover ataques pessoais a autoridades da cidade visando “acertos” futuros, já foi denunciado várias vezes por morar em apartamento na Ponta do Farol comprado pelo hoje deputado José Vieira (PSDB) quando ele era prefeito de Bacabal. Recentemente, o blog revelou que Lourival orientou o enrolado Alessandro Martins (Euromar) a procurar o ex-governador José Reinaldo para abrir um canal de negociação com a secretária Eurídice Vidigal (Segurança). O objetivo era tentar emplacar centenas de veículos Volkswagem com problemas de cadastro no Detran.

mensalao-lourival.jpgO investimento milionário do Jornal Pequeno acontece no momento em que o mundo atravessa uma de suas piores crises econômicas atingindo em cheio empresas jornalísticas. Na França, o governo resolveu duplicar seu investimento em publicidade para salvar veículos de comunicação da falência. Nos Estados Unidos, o mexicano Carlos Slim, dono da Embratel e Claro no Brasil, assinou um cheque de 250 milhões de dólares destinado a salvar da insolvência o The New York Times, o jornal mais influente do mundo.

O certo é que depois de se transformar em “diário oficial” do governo, o JP está proporcionando tempos de bonança à família Bogéa. Um exemplo: ano passado a matriarca Hilda Bogéa praticamente fechou uma área da Cabana do Sol apenas para comemorar seu aniversário.

Notas rápidas

sex, 27/02/09
por Décio Sá |

Esclarecimentos 
Ao contrário do que afirma a coluna Radar On-line (veja post abaixo), antes de ir para São Paulo, a senadora Roseana Sarney vai voltar a Brasília (ela está no Rio de Janeiro) e só depois será internada visando a operação para a retirada de aneurisma na cabeça. A cirurgia deve acontecer entre os dias 24 e 25 de março.

Geografia política
Por enquanto, as coisas estão assim: o vice-presidente que fará dobradinha com Dilma Rousseff será do PMDB. Do PMDB e nordestino. Do PMDB, nordestino e, mais especificamente, baiano. Geddel Vieira Lima, portanto. Mas Edison Lobão, peemedebista, nordestino e, mais especificamente, maranhense, está à espreita. Só que tem mais gente querendo entrar neste trem. Alguns petistas e peemedebistas, por exemplo, invocam um vice paulista – que seria Michel Temer.O argumento: quem tem Lula como cabo eleitoral, com sua popularidade retumbante no Nordeste, não precisa de vice nordestino. (Da coluna Radar On-line).

Investimento
A mulher de um alto dirigente do PT resolveu seguir a orientação do presidente Lula para minimizar os efeitos da crise econômica. Comprou um motel na cidade. Dizem no PT que os recursos vieram das famosas emendas parlamentares.

Indicação
Teria sido indicação de uma alta autoridade da cidade do sexo feminino a participação do advogados Fabiano de Cristo Cabral Rodrigues e Fabio de Oliveira Rodrigues no processo em que a Euromar tenta legalizar na justiça a fraude contra centenas de consumidores.

Confusão
Ainda vai dar muita confusão para o governador Jackson Lago (PDT) a atuação nos bastidores dos advogados Washington Torres e Erik Vidigal, filho do ministro aposentado Edson Vidigal, no processo de cassação contra ele que corre no TSE.  

Furando fila
O ex-prefeito Tadeu Palácio ainda não desencarnou do cargo. Há duas semanas ele estava com um laptop numa loja da Vivo e tentou furar a fila para ser atendido primeiro. Uma funcionária pediu educamente que Tadeu fosse pegar sua senha e aguardasse na fila. Mesmo emburrado, ele atendeu.

Operação Valquíria
O ex-governador José Reinaldo (PSB) assistiu ontem, no Box Cinemas, ao filme Operação Valquíria que trata da tentativa frustrada de golpe de oficiais alemãs contra Hitler. Se vivesse nos anos 40, o socialista daria uma aula de trairagem ao militares alemães. Com um professor desse, com certeza, a operação teria sido bem sucedida.

Problemas no Box Cinemas
Por falar no Box Cinemas a coisa por lá anda de mal a pior. A prometida venda de ingresso pela internet nunca aconteceu, as filas são cada vez maiores e nos banheiros é difícil encontrar até toalha-papel para enxugar as mãos.  

“Pirando” em Barreirinhas
Depois de “pirar” nos camarotes da Passarela do Samba, a secretária não do quê Alexandra Tavares foi espairecer em Barreirinhas. Foi vista por volta do meio-dia desta sexta-feira deixando o Lençóis Resort, da Franere, e embarcando numa lancha com o novo namorado libanês – seria na verdade indiano.

Nota: Post alterado às 17h40 para acréscimo e correção de informação.

Derrotada duas vezes, coligação de Orleans Carvalho quer realizar terceira eleição em Joselândia

sex, 27/02/09
por Décio Sá |

orleans-carvalho.jpgA coligação Muda Joselândia, que lançou como candidato a prefeito de Joselândia (MA) Orleans Carvalho (PRB), questionou no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a necessidade de realizar nova eleição no município. Orleans Carvalho (foto) ficou em segundo lugar nas eleições de 2008.

No recurso, a coligação também pediu que o TRE-MA (Tribunal Regional Eleitoral) do Maranhão julgue novamente os recursos apresentados por ela. Por determinação do TRE-MA, Joselândia realizou nova eleição no dia 25 de janeiro e elegeu a candidata do PMDB, Maria Edila de Queiroz de Abreu, como prefeita.

O candidato eleito em outubro, Marcelo de Queiroz Abreu (PMDB), perdeu o registro por suposta prática de abuso de poder econômico e compra de votos durante a campanha. Por conta disso, a Justiça Eleitoral convocou novas eleições para Joselândia.

No recurso, a coligação ressalta que a decisão do TRE-MA que manteve a cassação do registro de Marcelo Abreu “deixou de assentar quanto à desnecessidade da realização de nova eleição no município, ou seja, que o segundo colocado, ora embargante, seria declarado eleito”, com base na legislação eleitoral.

(Com informações da Folha Online).

Deu na Veja: O drama de Roseana recomeça

sex, 27/02/09
por Décio Sá |

Da coluna Radar On-line:

roseana-cirurgia.jpgNa segunda-feira, Roseana Sarney (foto) chega a São Paulo para dar início ao processo pré-operatório da cirurgia que fará para tratar um aneurisma cerebral. Nos próximos dias ela se internará no Hospital Sírio-Libanês para fazer os principais exames necessários para a operação, considerada delicada e longa. A operação, no entanto, deve ocorrer no Albert Einstein em meados de março. O dia exato será definido a partir dos resultados dos exames.

Como não está podendo pegar avião por recomendação médica, Roseana chegará de carro à capital paulista vinda do Rio de Janeiro, onde passou o carnaval. A proibição do uso do avião significa, no entanto, que caso o TSE decida terça-feira cassar o mandato do governador Jackson Lago e determine a posse de Roseana, ela não poderá ir ao Maranhão e seu vice assumirá o governo.

TSE: Tudo pronto para o julgamento
O presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, confirmou o julgamento que poderá decidir a cassação de Jackson Lago para terça-feira. Resta saber se não haverá novos empecilhos. Na semana passada, a sessão acabou sendo adiada por um problema de saúde do ministro Fernando Gonçalves. Britto já consultou o ministro e Gonçalves confirmou a presença na próxima semana.

Antes, o problema tinha sido Joaquim Barbosa, que pediu para não participar do julgamento arguindo-se suspeito e foi substituído por Ricardo Lewandowski. Em casos envolvendo a cassação de mandato, a regra no TSE é só realizar o julgamento com todos os sete ministros presentes.Para evitar futuros questionamentos sobre a legitimidade do voto de Lewandowski – que não acompanhou a leitura do relatório de Eros Grau nem a sustentação dos advogados – essas etapas serão refeitas.

Botando ordem em Alcântara
Lula está decidido a botar ordem na confusão envolvendo quilombolas e a Agência Espacial Brasileira em Alcântara. Para isso, já convocou uma reunião, ainda sem data para acontecer, com os ministérios da Defesa e da Ciência e Tecnologia. Possivelmente, o Incra também participará. Lula quer destrinchar os entraves para a expansão do programa espacial brasileiro.

Supremo arquiva ação da AL da PB para realização de eleições indiretas após cassação de Cunha Lima

qui, 26/02/09
por Décio Sá |

celso-de-mello.jpgBrasília – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello (foto) arquivou a Reclamação (RCL 7759), proposta pela Assembleia Legislativa da Paraíba contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que cassou o então governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e seu vice, José Lacerda Neto, e determinou a posse do segundo colocado no pleito de 2006, José Maranhão.

De acordo com a RCL, a decisão do TSE teria desrespeitado a prerrogativa da casa legislativa para definir o sucessor de Cássio Cunha Lima. Isso porque, ainda de acordo com a Assembleia, José Maranhão não obteve a maioria absoluta dos votos válidos no pleito de 2006. Dessa forma, deixou-se de aplicar o artigo 224, do Código Eleitoral, que determina a realização de novo pleito, sem que se declarasse sua inconstitucionalidade.

Conforme o artigo 77, parágrafo 2º e 3º, afirmava a Assembleia paraibana, apenas aquele que detém a maioria absoluta dos votos pode ser empossado governador. E, como a cassação aconteceu no segundo biênio do mandato, deveria ser aplicado ao caso o artigo 81 da CF, que determina a realização de eleições indiretas pela AL. A Assembleia diz que foram desrespeitadas a decisão do STF na ADI 2709, quando a Corte teria fixado que apenas por eleição indireta realizada pelo legislativo estadual se poderia preencher os cargos de governador e vice cassados na segunda metade do mandato, e também a decisão na ADI 1057.

Paradigmas

Ao rejeitar o pedido, o ministro lembrou que um dos paradigmas invocados, a ADI 1057, teve apenas o pedido de medida cautelar analisada pela Corte. Celso de Mello salientou que a jurisprudência do STF é pacífica no sentido de que a decisão negativa em análise liminar em ADI não pode servir de paradigma para reclamações, uma vez que, nessas situações, o Supremo ainda não emitiu nenhum juízo de mérito sobre a controvérsia, apenas deixou de suspender ações em curso sobre a matéria. Nesta ADI o STF apenas reconheceu que os estados podem legislar sobre o processo de escolha, pela assembleia, dos substitutos do governador e vice.

Já quanto a outra ação citada como paradigma, lembrou Celso de Mello, referindo-se à ADI 2709, o STF analisou questão diferente da que a casa legislativa apresenta nesta reclamação. Na ocasião, a Corte determinou que os estados não podem estabelecer que as eleições indiretas somente sejam realizadas caso os cargos fiquem vagos no terceiro ano do mandato e, no último ano, assumiriam o governo do estado o presidente da assembleia e o do Tribunal de Justiça. “Inexiste qualquer pertinência temática entre o conteúdo material do julgamento, pelo STF, da ADI 1057, e o que o TSE decidiu nos acórdãos objeto da presente reclamação”, concluiu o ministro, determinando o arquivamento da reclamação.

Reclamação

A reclamação é um instrumento processual que tem por finalidade garantir o cumprimento de uma decisão do STF ou preservar a competência constitucional da Corte. Outra hipótese de reclamação é para informar ao Supremo o desrespeito a uma súmula vinculante. No caso da assembleia o fundamento para a ação era de que o TSE teria descumprido um entendimento do STF, para tanto, apontou as decisões nas ADI(s) 1057 e 2709. Entretanto, segundo o ministro Celso de Mello, as decisões apontadas não se enquadram perfeitamente com a questão discutida no TSE. Leia a íntegra da decisão aqui.

Bastidores do julgamento adiado de Jackson Lago

qui, 26/02/09
por Décio Sá |

O TSE marcou para a próxima terça-feira a retomada do julgamento do governador Jackson Lago. Por conta dos três adiamentos anteriores acredita-se que nenhum ministro tenha coragem de pedir vistas do caso até porque o julgamento vai ser refeito com a nova defesa oral da defesa e acusação. A única exceção é o ministro Ricardo Lewandowski, substituto de Joaquim Barbosa.

O processo foi adiado quinta-feira passada por causa de um problema de saúde do ministro Fernando Gonçalves. O governador Jackson Lago (PDT) mandou fazer um despacho na porta do TSE o que, para alguns místicos, teria ocasionado o mal súbito no ministro. O presidente da Corte, ministro Carlos Ayres Britto, já determinou aos seguranças que proíbam qualquer tipo de pajelança na entrada do tribunal. Informado por assessores, Fernando Gonçalves, apesar de afirmar não acreditar em macumba, não gostou nenhum pouco da história.

Mesmo doente, ele pediu ao presidente que adiasse a sessão porque já tinha seu voto pronto e fazia questão de participar do julgamento. Segundo apurou o blog, no entanto, Ayres Britto tentou realizar o julgamento. Primeiro chamou a ministra Eliana Calmon, do STJ, mas ela não quis participar porque é relatora do processo em que o governador maranhense é acusado de “propineiro” e “quadrilheiro” no bojo da Operação Navalha. Tentou-se ainda o ministro Aldir Passarinho Júnior, também do STJ, mas ele alegou ser aparentado do advogado de Jackson Lago, Francisco Rezek, e recusou a convocação.

O ex-ministro Edson Vidigal, agora habilitado nos autos, andou tentando antes do julgamento uma conversa com o ministro Felix Fischer, autor do pedido de vistas realizado ainda no ano passado. Fischer está fugindo de Vidigal como o diabo foge da cruz. Deve conhecer bem a figura. Conforme havia antecipado o blog, o advogado Daniel Leite foi mesmo “rifado” e não deve participar da nova defesa oral.

Vai ser substituído por Vidigal. Na sessão de quinta-feira ele não quis sequer sentar no local reservado aos advogados do governador. Vidigal ainda quis consolá-lo dizendo que Jackson Lago queria falar com ele. Daniel recebeu o recado e permaneceu imóvel e de cara amarrada. Não falou com quase ninguém durante toda sessão.

Dutra mentiu à Justiça Eleitoral, afirma ONG

qui, 26/02/09
por Décio Sá |
categoria Política local

Do blog de Régis Marques:

dutra-financiamento.jpgO petista Domingos Dutra (foto), ícone da esquerda irresponsável e retrógrada que tomou conta do país, também deu sua contribuição para mostrar que, a exemplo de seus colegas mensaleiros e cuequeiros, sabe lidar – e bem – com os números, principalmente quando eles falam em seu favor. Segundo o site da ONG Transparência Brasil, Dutra é o segundo colocado entre os políticos maranhenses detentores de mandato que conseguiram o milagre da multiplicação dos próprios bens. Está no site da ONG (veja aqui) que o intrépido Dutra, um bom aprendiz de Marcos Valério, conseguiu fazer doações próprias para sua campanha eleitoral de 2006, de valores que atingem 116% do valor declarado de seu patrimônio.

Segundo sua declaração de bens entregue ao TRE, em 2006, quando concorreu à vaga de deputado federal, Domingos Dutra tinha um patrimônio de RS 71 mil, mas ele mesmo doou, em apenas dois meses de campanha, um total de R$ 82,4 mil. Um prodígio. Dutra tem contra si dois processos que pedem a cassação de seu diploma. Um deles proposta pelo Ministério Público Eleitoral, exatamente por abuso de poder econômico. Enfim, o patrimônio declarado Dutra ao TRE é cômico. Setenta e um mil reais. Conta outra, Dutra.

Preconceito 

Aliás, a máscara de democrata progressista que Dutra usa fora do carnaval não lhe cai bem. Dutra é preconceituoso e velhaco quando usa o surrado discurso em defesa das minorias. Eu mesmo fui vítima de seu preconceito. Em 2004 fui indicado por um amigo empresário para conversar com Dutra para prestar-lhe assessoria de imprensa. Na ocasião Dutra achava que sua atuação na Assembléia não tinha visibilidade na mídia e buscava um jornalista com experiência.

Fui conversar, num final de tarde de uma sexta-feira, com o deputado petista em seu gabinete, no velho prédio da Rua do Egito. De cara amarrada Dutra me recebeu de pé e começou a falar de generalidades, sem formular o convite para que eu o assessorasse. Cinco minutos depois se (me) despediu afirmando que diria ao meu amigo empresário sobre sua decisão. Passada uma semana o nosso amigo em comum chamou-se a seu escritório e disse que Dutra achara melhor não me contratar.

A justificativa? Eu tinha 50 anos e meus cabelos grisalhos lhe impunham respeito. “Ele queria alguém que pudesse passar carão quando assim lhe conviesse” – disse-me o empresário. E acrescentou que esse ícone da moralidade lhe indagou: “Como vou poder dar bronca num senhor idoso?”. É assim a trajetória dúbia (eu disse dúbia, viu Núbia?) de Domingos Dutra.

Campeã

A campeã do esquema de engana-TRE é a deputada cassada Graciete Lisboa, que calculou o valor irrisório e seus bens em R$ 15 mil, mas doou, à sua própria campanha, estratosféricos R$ 328 mil, totalizando 2.186,7 por cento a mais do valor declarado.



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade