Formulário de Busca

Polícia faz busca em escritório de Penaldon em PHO

ter, 13/01/09
por Décio Sá |

penaldon.jpgPoliciais militares e do GOE (Grupo de Operações Especiais)  cumpriram no incío da da trde desta terça-feira mandado de busca e apreensão por determinação judicial num prédio comercial de propriedade do deputado Penaldon Moreira (PSC) no centro de Pinheiro (PHO). O local é onde funcionava de fato a Prefeitura e a Câmara de Vereadores de Presidente Sarney.

O pedido à Justiça partiu do prefeito da cidade Edson Bispo Chagas (PMDB), que derrotou a mulher do deputado Valéria Moreira (PTB) em outubro passado. Desde sua criação, Penaldon controla a mão de ferro o município vizinho a Pinheiro. O peemedebista argumenta não ter recebido um documento do ex-prefeito João Amorim, apadrinhado do parlamentar.

A decisão foi do juiz José Ribamar Heluy Júnior, filho da deputada Helena Heluy (PT). Penaldon (foto) ainda teria tentado impedir a ação policial, mas a ordem dos dois oficiais de justiça era para prendê-lo em caso de resistência.

Edson Chagas contou ao blog que o prédio onde está sendo feita a operação foi construído pelo deputado “com dinheiro do município de Presidente Sarney”. “Pelo que se sabe ele ainda alugava o local para a própria prefeitura por R$ 5 mil mensais”, denunciou.

O democrata acusou o parlamentar e seu grupo de “sequestrar” o vereador Adelmo Moares Silva, após ele ser eleito 2º secretário da Câmara de Vereadores no dia 1º. Adelmo apareceu hoje em Presidente Sarney para apresentar sua renúncia ao cargo de vereador. Com isso, Penaldon planejava eleger outra mesa-diretora depois de conseguir anular a primeira eleição liminarmente no Tribunal de Justiça.

“Ele forçou o nosso 2º secretário renunciar. Forjou um documento e enviou ao Tribunal de Justiça para conseguir essa liminar. Essa renúncia  só pode ter acontecido por medo ou muito dinheiro”, assegurou Edson Chagas.

Nota: Texto alterado às 18h50 para acréscimo de informações e foto.

A voz do leitor – Fui assaltada!

dom, 11/01/09
por Décio Sá |
categoria Polícia

Da leitora que se identifica por Luzenice M. Martins (bióloga, servidora pública do Maranhão):

“Hoje, 09/01/09, fui assaltada. Eu, meu marido e dezenas de clientes e funcionários de uma rede de lojas de departamento do Maranhão (Gabriela). Sete “homens” muito bem armados ou abastecidos de armas. O que eu pude ver, com duas em uma só mão. Atentaram contra a vida de um “monte” de gente sem nenhum valor!

Humilhados, nervosos, orando, chorando e se arrastando. Idosos, crianças, grávidas. Ainda não me apareceu ninguém dos Direitos Humanos. Depois da degradação, a peregrinação. Os policiais, chegaram depois.Lembro de um numa posição muito sintomática: braços cruzados, olhar sisudo, não deu uma palavra.

A despeito de ter um “monte” de gente nervosa e chorosa. O BO não é com eles, é com a Civil, que está de greve!!! Porque o gov. não cumpriu o acordo que fez com eles. Pra que serve mesmo um BO? Não inventaram nenhum outro documento pra esse contexto! Genial! Só tem ou só pode o BO. Todas as nossas queixas procedem! Mas ali não sai BO! Ooooh! 15 minutos depois, o carro do gerente que os assaltantes levaram já está de volta!

Denota boa comunicação! Não sei de quem com quem!? O policial que nos acompanha até o carro diz que “tá tudo jogado”, “a culpa é do governador”. Disse que eles não têm nem colete à prova de bala. No plantão pro BO, longe dali, o agente: o “sistema caiu”! “Só amanhã”! “Não há nenhuma alternativa a um sistema caído?” Voltar amanhã!

“A culpa não é nossa”; é do SISTEMA DE SEGURANÇA que decide que BO só pelo sistema!!! Se a queixa chegar no governador, de quem mesmo será a culpa? Ao contrário de um amigo que teve recentemente sua casa invadida, não recorri a nenhum dos telefones de autoridades que tenho.

E são muitos! Só queria que o SISTEMA tivesse funcionando, pra não ter que recorrer a nenhuma pessoa física. Pra não me sentir usurpada moral, cívica e psicologicamente, recorro a você fazer circular o meu BO. Pra não perder as esperanças de construir sociedades mais justas.

O BO do meu marido
“Celebridades e quadrilhas”, 2003

Estado inerte, sem competência, nomeia o crime de organizado
Sistema burgo, decadente, politiqueiro e aliciado
A imprensa manipulada, maquiada e muquirana
Caçadores de recompensas, usurpadores da lei
Bandoleiros de judas

A mídia traz as celebridades
A mídia traz as celebridades

Polícia bandido
Bandido polícia
Com raras exceções
O resto é quadrilha

A qualquer momento, uma dura
Encosta o carro, mão no capô, documento
Tu tá em cana, tu tá ferrado
Libera um qualquer, senão tá autuado

A qualquer hora, um esculacho
Assalto, passa a grana, o relógio, cidadão desinformado
Tu tá no rodo, tu tá “robado”
Se vacilar, é um abraço.

Luis Lima (compositor e comerciante no Estado do Maranhão). “

Jornal Nacional desmente governo Jackson Lago

sáb, 10/01/09
por Décio Sá |

A edição de quinta-feira (8) do Jornal Nacional (JN) desmentiu nota do Governo do Maranhão cujo objetivo era rebater notícia do telejornal do dia anterior dando conta que um suspeito havia sido solto em Codó por causa da greve da Polícia Civil. As imagens ao lado (clique e veja), exibidas no Jornal Hoje de quarta-feira (8), mostram o “elemento” sendo preso, solto e em seguida, ao deixar a delegacia, dando tchauzinho aos policiais. Abaixo a nota do JN:

“O governo do Maranhão, por meio da assessoria de imprensa, contestou a informação publicada nesta quarta, pelo Jornal Nacional, de que um suspeito de roubo foi solto na cidade de Codó, por causa da greve da Polícia Civil no estado.

Segundo a nota, o homem não ficou preso porque não havia testemunhas do roubo ou vítimas para a configuração do flagrante e que seria ilegal mantê-lo preso nessas circunstâncias.

Porém, o comandante da PM em Codó, major Jairo Xavier da Rocha, garantiu que o lavrador foi preso em flagrante e que há testemunhas e um boletim de ocorrência feito pela Polícia Militar.

Segundo o comandante, o único Policial Civil que estava na delegacia se negou a receber o preso antes da chegada do delegado responsável, que estava em São Luís. Ainda segundo o major, o próprio delegado telefonou para ele nesta quinta pedindo desculpas pelo episódio.”

Notas rápidas

sex, 09/01/09
por Décio Sá |

Julião X Aderson: briga feia
O pau fechou entre o deputado Julião Amim (PDT) e o chefe da Casa Civil, Aderson Lago, hoje pela manhã durante a posse de Clodomir Paz no Detran. Uma fonte do blog viu o momento quando Aderson pegou Julião pelo braço e o levou para um canto. Os dois começaram discutir com dedos em riste. Foi possível ouvir Julião dizendo “me respeite!”. A briga teria como motivação as declarações do presidente do PDT à imprensa pedindo a renúncia coletiva do secretariado. Julião estaria dando um recado do próprio governador principalmente a Aderson, Aziz Santos (Planejamento), Eurídice Vidigal (Segurança), Telma Pinheiro (Obras e Infraestrutura) e Lourenço Vieira da Silva (Educação). Há quem afirme porém que o pedetista só está mesmo querendo seu espaço no governo com receio das urnas em 2010.

Jogatina
A turma que gosta de uma jogatina em São Luís está empolgada com a possibilidade do prefeito de Bacabal, Raimundo Lisboa (PDT), vir a presidir a Famem. O homem não dispensa uma partidinha de baralho. Chega a jogar alto e apostar até bens. Quando não encontra ninguém para matar o vício, empresta dinheiro aos próprios funcionários só para ser desafiado na mesa de jogo.

No Jornal da Globo
São muito engraçadas as imagens do ex-prefeito de Bacabal José Vieira (PP) durante posse na Câmara. O Jornal da Globo fez uma reportagem terça-feira sobre os novos deputados. Na matéria, o ex-prefeito aparece na Tribuna e fazendo o juramento duas vezes (veja aqui).

Miltinho no comando
O prefeito cassado de Barreirinhas, Miltinho Dias, despachava nesta sexta-feira normalmente no prédio da prefeitura apesar de oficialmente a prefeita da cidade ser presidente da Câmara, vereadora Soraia (ambos do PT). Coincidência ou não, hoje foi depositada a primeira parcela do FPM nas contas da prefeitura. Muitos “credores” compareceram ao local.

Morte do vereador
Além da questão política, teria a ver com briga familiar o assassinato do vereador Kleber Neres Correia (PV) de Paulo Ramos. Durante a campanha, ele teria sido ameaçado por familiares por causa do apoio dado ao prefeito Tancledo Lima (PV). Um irmão da vítima por parte de pai também é vereador na cidade (veja mais aqui).

Sumiço na Assembléia
O presidente reeleito da Câmara, Isaías Pereirinha (PSL), tem dito não ser possível transferir os vereadores para o antigo prédio da Assembléia no Centro de São Luís porque tudo foi levado do local. O problema é que a nova Assembléia comprou móveis e equipamentos novos. Ou seja, tem algum espertinho levando para casa o que restou do Parlamento estadual.

Histórias de Pereirinha
Por falar em Pereirinha, ele anda anunciando o lançamento de um livro onde contará todos os bastidores da eleição da Câmara. Será que a história dos empréstimos milionários no Bradesco vão estar relatados?

Play Station
Brincadeira que já circula sobre a ligação com o esporte do novo secretário municipal Dayvisson Franklin Sousa, ex-chefe de gabinete de Cléber Verde (PRB): ele foi campeão de torneio de videogame.

Carnaval de confusão
Só para variar vai começar a confusão no Carnaval. Dirigentes de agremiações carnavalescas prometem rodar à baiana se Euclides Moreira Neto (Func) privilegiar um milímetro a Favela do Samba, da qual já foi presidente. Vão ficar de olho principalmente na escolha dos jurados da festa na Passarela do Samba e na liberação dos recursos.

Eurídice, sempre ela
Enquanto a confusão corria solta ontem à tarde com rebelições em Pedrinhas, a secretária Eurídice Vidigal (Segurança) era vista na maior tranquilidade por volta das 15h almoçando no Chico’s Restaurante com Samme Santos, filha do governador de fato Aziz Santos.

Não foi bem assim
O procurador-regional eleitoral, José Leite Filho, divulgou nota onde afirma não ter presenciado um juiz do TRE sendo cobrado pela parte para devolver propina a um candidato, conforme divulgado pelo Jornal Pequeno.

TJ relata vandalismo no MA ao ministro da Justiça

ter, 06/01/09
por Décio Sá |

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Raimundo Freire Cutrim, encaminhou ofício ao ministro da Justiça, na tarde de ontem (segunda-feira 5), no qual relata e pede providências para fatos ocorridos no primeiro dia do ano em Santa Luzia do Tide (a 280 km de São Luís), e que resultaram no incêndio do fórum e depredação de outros prédios públicos.

Um total de 9.731 processos em tramitação nas duas varas da comarca foram destruídos durante os atos de vandalismo.

O presidente afirma no ofício que os episódios assumem maior gravidade diante do alerta prévio sobre o clima de insegurança no município. A informante seria a própria Polícia Militar do Estado, que em 11 de dezembro alertou à juíza Maricélia Costa Gonçalves sobre a insatisfação de um grupo político com o resultado eleitoral. “Contudo, nenhuma providência preventiva ou repressiva foi adotada para evitá-los”, esclarece o desembargador ao ministro.

Raimundo Cutrim lembra a soltura dos suspeitos pelos delitos, sob o argumento da delegacia de Santa Luzia do Tide de que não haveria provas para incriminá-los. “Isso equivale a dizer que, por negligência, os agentes de segurança da cidade preferiram ficar à margem dos acontecimentos”, avalia o presidente.

Ao final do documento, o presidente cita trechos de nota oficial do Tribunal de Justiça (divulgada em conjunto com o corregedor-geral de Justiça, desembargador Jamil Gedeon Neto), em especial o que solicita esforços do Governo do Estado no sentido de identificar e responsabilizar criminalmente os autores dos delitos, e oferece a ajuda do TJ nesse sentido. Veja íntegra aqui.

Ex-prefeito de Apicum-Açu é preso pela PF

ter, 06/01/09
por Décio Sá |

A Polícia Federal do Maranhão prendeu, hoje (6), o ex-prefeito do município de Apicum-Açu, a 500 quilômetros da Capital. Benonil da Conceição Castro estava na casa dele, em São Luís. Benonil da Conceição era considerado foragido e procurado pela polícia há mais de três meses. A principal acusação contra ele é desvio de recursos públicos federais.

Em dezembro, a PF havia prendido o filho dele, Benonilson José Nascimento Castro. O juiz que decretou a prisão disse que o empresário estava destruindo provas e influenciando testemunhas. Ele é acusado de produzir notas fiscais frias para justificar a prestação de contas do pai, o ex-prefeito da cidade. Em novembro a Polícia Federal prendeu a secretária da prefeitura de Apicum-Açu, Domingas Castro, quando ela ateava fogo nos arquivos da administração municipal. Ela é parente do ex-prefeito.

(Com informações de Honório Jacometto para o imirante.com).

Notas rápidas

sáb, 03/01/09
por Décio Sá |

Até Caldas Gois!
Não foi só a procuradora-geral de Justiça, Fátima Travassos, quem bateu palma para o governador Jackson Lago (PDT) durante discurso em que ele defendeu os atos de vandalismo praticados por seus correligionários no interior do Maranhão. O presidente da OAB, Caldas Gois, também presente à solenidade de transmissão de cargo ao prefeio João Castelo (PSDB), teve o mesmo comportamento da colega. O detalhe é que hoje a Ordem divulgou nota criticando a atitude do governador.

“A OAB-MA manifesta especial preocupação e repúdio à insurgência violenta contra decisões judiciais as quais devem ser contestadas pelo meios assegurados constitucionalmente às partes de cada processo. É, portanto, inadmissível que os descontentes abandonem os meios e recursos assegurados pela lei e lancem mão de atos de vandalismo e intimidação, como forma de reação ao cumprimento de decisões judiciais”, diz um trecho da nota (leia a íntegra aqui).
 
Dinheiro no balde
O ex-prefeito de Urbano Santos Aldenir Santana Neves (PDT) continua agindo nos bastidores para tentar ver cassado o ex-padrinho político Abnadab Leda (PTB), que o derrotou com uma diferença de mais de 3 mil votos. Com isso, pretende voltar ao comando do município. Somente nos últimos dias do ano ele sacou R$ 1,8 milhão do erário municipal e acredita estar “turbinado” o suficiente para reverter a questão na Justiça. Voltar ao convívio dos colegas da Polícia Federal, jamais.

Tadeu na praia
Vocês sabem por onde andava o ex-prefeito Tadeu Palácio no momento da trasmissão de cargo para João Castelo? Foi visto durante a tarde de quinta-feira a bordo de um quadriciclo na Praia do Meio. Pela manhã, ele havia dito que não iria à solenidade por causa de “compromissos familiares”.  Por causa disso, levou uma reprimenda do tucano.

Ivaldo Rodrigues na liderança
Cresce entre os vereadores que apoiaram a candidatura de Chico Carvalho (PSL) na Câmara o apoio ao pedetista Ivaldo Rodrigues para ocupar a liderança do governo João Castelo na Câmara. O próprio ex-candidato entende ser melhor indicar um dos colegas que o apoiaram porque acaba de sair de um duro embate com o presidente reeleito da Casa, Isaías Pereirinha (PSL). Além de pertencer ao partido do governador, Ivaldo tem bom trânsito entre os vereadores.

Comunista foragida
A ex-presidente da Câmara de Vereadores de Santa Luzia, a vereadora reeleita Joana Gomes Silva (PCdoB), continuava foragida até o início da noite. Ela foi uma das organizadoras do movimento que resultou na destruição de vários prédios públicos no município. Além dela, a justiça decretou a prisão de mais 44 pessoas pelos atos de vandalismo. Já há um forte movimento na Câmara pela cassação da comunista e do também vereador Gilson Rocha (PT), outro que encabeçou os protestos (leia mais aqui).

Fogo na Cultura
Vários documentos da Func (Fundação de Cultura do Município) foram queimados no órgão nos últimos dias. Até a roupa do Rei Momo desapareceu.

Novo Pedro Celestino?
Já estão querendo comparar a vereadora Rose Sales (PCdoB), eleita com pouco mais de 2 mil votos, com o ex-vereador Pedro Celestino. Calma pessoal, vamos esperar a moça estrear no Parlamento!

Jornal Hoje: novamente o caos no Maranhão

sáb, 03/01/09
por Décio Sá |

A Força Nacional de Segurança Pública deveria deixar o Maranhão neste sábado, mas vai ficar mais 60 dias. Várias cidades do interior do estado vivem um clima de insegurança. O prefeito de Santa Luzia (MA) atualmente despacha numa garagem. Num bloquinho de papel, ele anota o que precisa ser reconstruído na cidade. Todos os documentos do município foram incendiados.

“Se você pensar, não existe município no momento. Foi tudo queimado”, diz o prefeito Ilzemar Dutra, que foi o segundo colocado na eleição. A Prefeitura, o Fórum e a Câmara Municipal de Santa Luzia foram atacados depois que a Justiça cassou o prefeito eleito. Partidários dele se revoltaram contra a posse do adversário.

A série sucessiva de quebra-quebras no Maranhão provocou prejuízos gigantescos. Estima-se que serão necessários pelo menos R$ 5 milhões para reerguer tudo o que foi quebrado ou incendiado em várias cidades do interior nos últimos três meses

Em Benedito Leite (MA), urnas eletrônicas, carros e o cartório eleitoral foram incendiados nas eleições de outubro num protesto contra o cancelamento de 700 títulos de eleitor fantasmas. Em São Mateus (MA), a Prefeitura e a Câmara também foram queimadas no dia seguinte às eleições. Eleitores suspeitavam de fraude.

Em Zé Doca (MA), o único hospital público foi destruído por moradores inconformados com o assassinato de um homem numa barreira policial. Em Tutóia (MA), a casa do prefeito foi toda quebrada por funcionários da prefeitura com salários atrasados. A loja do filho dele foi saqueada.

Em Mataroma (MA), a Justiça cassou o candidato vencedor. A segunda colocada assumiu, mas o prefeito cassado não entregou as chaves da prefeitura. As portas tiveram de ser arrombadas.

“Onde não há paz e tranqüilidade, onde não se respeita as decisões judiciais, onde o caos entra pela porta da frente, certamente a cidadania sai pela porta dos fundos”, analisa o juiz Gervásio Santos Júnior, presidente da Associação dos Magistrados do Maranhão.

Terrorismo e vandalismo ao redor do mundo

sex, 02/01/09
por Décio Sá |

Faixa de Gaza, Oriente Médio, janeiro de 2009

mesquita-na-faixa-de-gaza.jpg

 Santa Luzia, Maranhão, Brasil, janeiro de 2009

santa-luzia-vandalismo.jpg

 Faixa de Gaza, Oriente Médio, janeiro de 2009

faixa-de-gaza-bloqueio.jpg

 Zé Doca, Maranhão, Brasil, outubro de 2008

vandalismo-zedoca.jpg

Vadalismo em Santa Luzia foi anunciado

sex, 02/01/09
por Décio Sá |

No dia 10 de novembro este blog (reveja aqui) denunciou o que estava para acontecer em Santa Luzia. Uma panfleto apócrifo (sem assinatura) já estimulava a população a promover quebra-quebra devido a primeira decisão da juíza Maricélia Costa cassando o registro do então prefeito eleito Márcio Rodrigues (PDT).

Intitulado “Os passos para a vitória e a libertação de Santa Luzia”, o documento diz que juízes e promotores do município “apesar de serem pagos como dinheiro do povo para fazer justiça e defender os interesses dos cidadãos, cada dia que passa só cometem injustiças. Desta vez tirou a vontade do povo e deu a um candidato (Zemar) que já teve sua oportunidade como prefeito e quando foi prefeito mostrou o quanto é incompetente”.

A partir daí vai explicando os “passos” para “libertar a cidade dos sanguessugas”. O panfleto pede que a população se revolte, aja em grupo e não deixe ninguém filmar a manifestação para evitar que “aqueles que fizeram frente não sejam prejudicados”. Os manifestantes devem fazer carreatas e buzinaços.

No “sexto passo” conclama os vândalos a “tocar fogo só em lugares de grande impacto” como a casa de Zemar (chamado de “Ze Mala”), no prédio do Ministério Público “porque a justiça foi covarde e não ficou ao lado do povo” e na estrada para evitar a chegada de cargas ao município.

E conclui: “Devem ter pessoas de prontidão para dar entrevistas na hora que aparecerem os repórteres de TV e falar que se o Dr.Oséas não for prefeito, queremos nova eleição”. Dr.Oséas é uma referência ao ex-deputado e ex-candidato Oséas Rodrigues (PDT), pai de Márcio Rodrigues.

Ouvidos agora há pouco pelo blog durante coletiva na Associação dos Magistrados,  Maricélia Costa e a também juíza de Santa Luzia Manuella Farias Ribeiro condenaram com veemência o ato. Na ocasião comunicaram a existência do panfleto ao Tribunal de Justiça e ao comando da PM, mas nenhuma providência foi tomada.

O presidente da Amma, juiz Gervásio Protásio Júnior, e da Associação do Ministério Público, Fabíola Fernandes, criticaram não criticaram ainda o discurso do governador Jackson Lago apoiando os manifestantes. Eles estão se deslocando neste momento para Santa Luzia.



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade