Formulário de Busca

Porto ainda não está garantido vice de Jackson

seg, 28/06/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Apesar do próprio Jackson Lago ter sugerido em entrevista à rádio Capital neste domingo, não é 100% certo que o ex-vice governador Luiz Carlos Porto, o Pastor Porto (PSDB), seja mesmo o escolhido para compor sua chapa. “Ficou combinado que o PSDB indicaria o vice. Tenho conhecimento de que o nome do pastor Luiz Carlos Porto será formalizado na ata da convenção do PSDB”, disse o ex-governador.

Alexandra e GardeninhaA declaração foi feita um dia após a convenção que homologou seu nome e deixou a vaga de vice em aberto. Existem muitas “conspirações” rolando. Na verdade, o próprio Jackson antecipou-se ao citar o nome do ex vice-governador ao saber de um movimento de setores do PSB ligados ao ex-governador José Reinaldo Tavares tentando emplacar a ex primeira-dama Alexandra Tavares no cargo. O PDT não quer nem ouvir falar da história.

Isso se o PSB abandonar mesmo Flávio Dino (PCdoB), conforme revelado pelo candidato ao Senado Edson Vidigal (PSDB). No jogo também está o presidente dos socialistas, José Antonio Almeida. Ele foi escolhido semana passada pela Executiva da legenda vice do comunista (reveja).

Presente à convenção do PDT/PSDB neste sábado, Alexandra tenta se fortalecer junto ao tucanato, a quem cabe a indicação. Ele anda muito próxima da deputada Gardeninha Castelo, filha do prefeito de São Luís, João Castelo (ambos do PSDB). Na foto, elas aparecem no arraial da prefeitura na Praça Maria Aragão.

A opção Luiz Porto agrada o próprio Vidigal e ao prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB). Madeira resolveu apadrinhar o pastor sem rebanho – ele não congrega em nenhuma igreja evangélica do Estado. Já o ministro aposentado vê na indicação do ex vice-governador o “fechamento” da porta para as “conspirações” de José Reinaldo contra ele. José Reinaldo tenta, segundo revelou o próprio Vidigal, puxar seu tapete e ser candidato ao Senado pela coligação PDT/PSDB/PTC/PPS junto com Roberto Rocha (PSDB).

Há setores do próprio PDT querendo empurrar o ex-presidente do STJ para a vice de Jackson no sentido de abrir a vaga dele para José Reinaldo. Nesse cenário, Porto seria candidato a deputado federal por Imperatriz.

Até do registro de chapas no TRE ainda tem muito jogo para ser jogado. Vamos aguardar!

No PSB já se fala em Alexandra vice de Jackson

sáb, 26/06/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Diante de uma possível desistência do deputado Flávio Dino (PCdoB), uma ala do PSB ligada ao ex-governador José Reinaldo Tavares já se movimenta no sentido de tentar emplacar a ex primeira-dama Alexandra Tavares como vice de Jackson Lago (PDT). Alexandra esteve hoje pela manhã na convenção do PDT e PSDB toda serelepe. O movimento está causando mal-estar entre pedetistas e tucanos. Dirigentes das legendas acham que a ex primeira-dama “não tem estatura” para o posto.

Negociações imobiliárias de Alexandra podem prejudicar Jackson

Negócios imobiliários de Alexandra podem prejudicar Jackson

Acreditam que como Jackson corre sério risco de vir a ser cassado por conta da Lei da Ficha Limpa, o melhor seria colocar alguém à altura de substitui-lo em um possível impedimento. A convenção deste sábado que homologou o pedetista candidato ao governo deixou o cargo vice em aberto. O movimento pró-Alexandra teria o ex-marido como “padrinho” porque José Reinaldo, com a saída do comunista da disputa, teria sua candidatura ao Senado inviabilizada. Como a ex-mulher quer disputar uma vaga de deputada federal, ele estaria querendo tirá-la do caminho para tentar, nesse novo cenário, uma vaga à Câmara.

Segundo pedetista e tucanos, Alexandra seria alvo fácil dos adversários. Ela tem um histórico de “pirações” na cidade, além de estar sendo investigada pelo Ministério Público por suposto enriquecimeno ilícito. Reportagem de O Estado Maranhão de março localizou em cartórios do Distrito Federal, em nome da pretensa candidata a vice, pelo menos oito registros de transações com apartamentos e casas comerciais, todas flagrantemente subfaturadas, totalizando cerca de R$ 6 milhões (reveja).

Dirigentes do PSB, no entanto, rechaçam qualquer envolvimento da direção nesse movimento. Segundo os socialistas, Alexandra tem forte rejeição no partido e se alguém tiver de ser indicado vice este será o presidente do partido, o ex-deputado José Antonio Almeida. Na semana passada, a Executiva homologou o nome dele como vice de Flávio Dino.

O temor maior dos socialistas, porém, é que o partido acabe tendo de apoiar Jackson mas não tenha direito a indicar ninguém na chapa majoritária.

Veja imóves de Alexandra e Zé Reinaldo no DF

sex, 09/04/10
por Décio Sá |
categoria Vídeos

Há duas semanas a TV Difusora exibiu reportagem mostrando os negócios imobiliários da ex-primeira dama Alexandra Tavares e o ex–governador José Reinaldo em Brasília. Entre 2002 e 2007, somente com a compra e venda de imóveis, mesmo separado, o casal movimentou R$ 6 milhões (reveja aqui matéria de O Estado Maranhão sobre o caso). A reportagem mostra o prédio na Asa Norte na Capital onde fica um dos apartamentos do ex-casal adquirido à vista por R$ 1,1 milhão do ex vice-governador Paulo Octávio (DEM).

Ela vendeu a joia em outubro de 2008 para Patrícia Morum Theodoro de Paula, de quem, em abril do ano passado, comprou outra peróla do mercado imobiliário da Capital Federal – o apartamento 608 da SQN 212 – por R$ 1,2 milhão. Apesar de na ocasião estarem separados havia três anos, José Reinaldo aparece com proprietário de 40% do imóvel. A matéria é encerrada com as imagens de dois terrenos no Olho d’Água comprados por Alexandra apenas R$ 6 mil cada, quando o preço de mercado seria de no mínimo R$ 1 milhão. Clique e veja:

Alexandra: revelado o que o MP não quis apurar

dom, 21/03/10
por Décio Sá |
categoria Polícia

alexandra 1

Endereço de Alexandra no DF: parceria com ex-marido

Em 2006 os promotores Cláudio Guimarães, José Cláudio Cabral Marques e Themis Pacheco (hoje procuradora) começaram uma investigação sobre o suposto enriquecimento da então primeira-dama Alexandra Tavares. Chegaram a pedir a quebra do seu sigilo bancário. Foi o bastante para o então procurador-geral, Francisco das Chagas Barros, transferir o trabalho para outra equipe porque os três primeiros eram “incompetentes” para realizar o trabalho (reveja), decisão referendada posteriormente pelo CNMP (Conselho Nacional do MP). Essa nova investigação até hoje ninguém sabe, ninguém viu.

No entanto, uma matéria publicada neste domingo em O Estado do Maranhão joga uma facho de luz nessa história. Talvez agora os membros do Parquet se interessem em terminar (ou começar, verdadeiramente) o serviço iniciado por GUimarães, Cabral Marques e Themis. A reportagem do jornal encontrou nos cartórios do Distrito Federal pelo menos oito registros de transações com apartamentos e casas comerciais, todas flagrantemente subfaturadas, totalizando cerca de R$ 6 milhões.

Em um dos mais caros prédios de apartamentos do Brasil, na SQN 109 da Asa Norte, Alexandra Tavares comprou e pagou à vista um apartamento de 903 metros quadrados por apenas R$ 1.118.553,00, pouco mais de R$ 1.000,00 por metro quadrado, quando o valor de mercado supera os R$ 8.000,00. À época, ela já estava separada do ex-governador José Reinaldo Tavares, mas na compra ele aparece como sócio da ex-mulher. O vendedor foi Paulo Octávio (DEM), o vice-governador que recentemente renunciou ao governo do Distrito Federal.

Alexandra Tavares vendeu o apartamento da SQN 109 em outubro de 2008 para Patrícia Morum Theodoro de Paula, de quem, em abril do ano passado, comprou outra jóia do mercado imobiliário do Distrito Federal – o apartamento 608 da SQN 212 – por módicos R$ 1.200.000,00. O que chama a atenção é que a essa altura ela já estava oficialmente separada de José Reinaldo há três anos, ele já casado havia mais de dois anos com a sua atual mulher, mas ainda assim Alexandra e José Reinaldo aparecem unidos na compra: ela com a maior parte, de 60%, e ele com os demais 40% de direito sobre o novo bem.

alexandra farmáciaOutras transações da ex primeira-dama em Brasília incluem duas farmácias nas cidades que se localizam no entorno da Capital Federal (foto), em todas elas com participação de 90%. Os negócios subfaturados dela chegam a São Luís com a compra de dois terrenos no Olho d’Água, que somam 3.200 metros quadrados por apenas R$ 6 mil, quando o preço de mercado seria de no mínimo R$ 1,5 milhão.

Agente oculta

Alexandra Tavares terminou de vez o seu casamento com José Reinaldo em março de 2006, cerca de um mês antes do então governador começar a ser monitorado pela Polícia Federal dentro da Operação Navalha, que acabou por prendê-lo por vários crimes, dentre os quais os de corrupção, estelionato e formação de quadrilha.

Enquanto esteve no Palácio dos Leões, era só dela o controle do dinheiro do Estado. Gerenciava todos os pagamentos, mas não assinava nada. Isso era possível através da chefia de um informal comitê de gestão das finanças do governo dentro do qual nem o próprio governador arriscava dar palpite.

Depois do fim do casamento, em plena efervescência da campanha eleitoral que desviou mais de R$ 1 bilhão para a compra de votos, Alexandra Tavares comandou os comitês-chave, como os de Caxias, Codó e Tuntum, liderando operações que elegeram um deputado federal estreante na política, dois deputados estaduais e fez maioria de votos para o ex-governador Jackson Lago, que acabou cassado pela Justiça Eleitoral.

alexandra 2

Alexandra: ser ou não poder ser, eis a questão!

qui, 25/02/10
por Décio Sá |
categoria Política local

José Reinaldo e Alexandra: nova crise à vista

José Reinaldo e Alexandra: nova crise à vista

A ex primeira-dama Alexandra Tavares está de volta aos burburinhos da ilha. Não veio salvar o affair Sílvio Preto de nenhuma ameaça. Apareceu hoje no almoço “Quinta Árabe”, do Rio Poty Hotel. Estava acompanhada do advogado Washington Torres, amigo do ministro aposentado e pré-candidato ao Senado Edson Vidigal (PSDB).

Estava meio isolada, mas ainda foi cumprimentada pelos secretários Chiquinho Escórcio (Brasília), Filuca Mendes (Cidades) e o deputado Fábio Braga (PMDB). Disse a alguns dos presentes que será mesmo candidata a deputada federal.

Aí que mora o problema. O presidente do PSB, José Antonio Almeida, afirmou em entrevista que não existe nada de oficial a respeito desse assunto no partido. “Tivemos uma reunião aqui e foram ventilados vários nomes, mas ninguém falou dela. Não fui procurado por ninguém (ligado a Alexandra) nesse sentido”, assegurou(reveja).

Socialistas locais acreditam que a ex primeira-dama apenas lançou uma “balão de ensaio” para sentir a reação da mídia e dos eleitores. O ex-marido, o também pré-candidato ao Senado José Reinaldo Tavares (PSB), não quer nem sonhar com a possibilidade. “Ela só é candidata se for para me prejudicar”, tem dito.

Ele acredita que uma candidatura da ex-mulher poderá afastar a classe política, a exemplo do que ocorreu com o senador Epitácio Cafeteira (PTB) em 2006. O ex-governador teve de retirar a candidatura da filha, Janaína Cafeteira (PTB), à Assembleia, para poder vencer. O hoje prefeito João Castelo (São Luís) insistiu em fazer  dobradinha com a filha e nenhum dos dois se elegeu. Gardeninha Castelo (PSDB) é hoje deputada por ter assumido a vaga do prefeito de Coelho Neto, Soliney Silva (PSDB).

A respeito do assunto, o blog conversou com Washington Torres:

- Alexandra é mesmo candidata? – quis saber;
- Candidatíssima – respondeu ele;
- Mas o José Reinaldo não está muito de acordo com a ideia – continuei;
- Ela é maior, está filiada ao PSB, e em pleno gozo dos seus direitos políticos. Pode escrever aí: ela não abre de jeito nenhum! – encerrou.

Tá escrito!

Affair de Alexandra Tavares ameaçado de morte

qua, 24/02/10
por Décio Sá |
categoria Polícia

silvio preto 2010 aO administrador de empresas Sílvio Preto (foto), que teve (ou tem) um affair com a ex primeira-dama Alexandra Tavares (reveja), se envolveu numa confusão no posto Hungry Tiger (Ponta d’Areia) por volta das 2h desta quarta-feira. Ele chegou a ser ameaçado de morte por um homem que disse ser policial.

O quiproquó aconteceu após vários “playzinhos” terem deixado o Mandamentos Bar, na Lagoa da Jansen. Segundo testemunhas, Sílvio Preto parou no Hungry Tiger para tomar uma água com o amigo Kaio Patrício. Quando ele ia saindo do local um suposto policial (não se sabe se civil ou militar) identificado como “Jackson” teria começado a provocar, informaram ao blog amigos do administrador de empresas.

- Tu és Robocop? – teria dito o policial
- Porquê? – respondeu ele
- Tu és à prova de bala? Eu sou polícia – continuou o homem
- Problema teu! – respondeu Sílvio Preto
- Tu escapou de levar um tiro – insistia “Jackson”
- Onde tu queres chegar com essa história?! Tu estás no tempo do faroeste? Deixa eu ir embora – argumentou o affair da ex primeira-dama.

Na sequência o policial deu um soco em Sílvio Preto, que revidou dando um direto no adversário. Este caiu de cara no chão e ficou sangrando na boca. A “turma do deixa-disso”, comandada por Thiago Schin, tentou acalmar a confusão.

No entanto, “Jackson” ficou sendo incentivado por amigos a revidar.
- Dá uma arma para ele. Mata ele!- diziam.
- Isso não vai ficar assim. Tu és um homem morto – teria afirmado o policial para Sílvio Preto.

Na confusão, o Peugeot de Kaio Patrício foi chutado pelos amigos do policial. Sílvio Preto teve de correr em direção à Avenida dos Holandeses sendo perseguido pelos adversários. Foi resgatado por um amigo numa Pajero, que teve o pára-brisa quebrado por “Jackson” e sua turma.

Durante a briga um delegado da Polícia Federal chegou ao local, mas nem assim a confusão acabou. Três viaturas chegaram em seguida, mas ninguém foi preso.

“Jackson” e um amigo identificado por “Adriano”, que também seria policial, ainda foram fazer uma espécie de campana no edifício Dom Pedrito (Renascença)  na tentativan de localizar Sílvio Preto. O administrador de empresas está prestou queixa no Plantão Central da Beira-Mar.

Candidatura de Alexandra gera crise no clã Tavares

sáb, 30/01/10
por Décio Sá |
categoria Política local

A suposta candidatura da ex primeira-dama Alexandra Tavares a uma vaga na Assembleia Legislativa está gerando confusão na família do seu ex-marido. O principal chateado com a história seria o presidente do Poder Legislativo, deputado Marcelo Tavares.

Alexandra Tavares 300110Alexandra (foto) , que é filiada ao PSB, vem demonstrando a intenção de entrar na política a jornalistas “balaios” e “calça-curtas” (sem diploma de jornalismo). Caso se confirme, a candidatura pode prejudicar o projeto de reeleição de Marcelo.

O presidente da Assembleia e a mulher dele, Silvana Tavares, não suportam Alexandra desde a época do governo José Reinaldo (2002-2006). Marcelo foi secretário de Articulação Política mas não tinha força nenhuma junto ao tio, na época ainda apaixonado por Alexandra – dizem que até hoje o amor continua. Eles se separaram em 2006. Marcelo e a ex primeira-dama viviam às turras porque ela se metia até na articulação política.

Deputados contaram ao blog acreditar que Marcelo sequer tentará a reeleição, no que eu não acredito. Segundo esses parlamentares, a relação do presidente com os colegas é o pior possível. Com os funcionários da Casa, nem se fala.

Citam três casos administrativos: o presidente teria cortado o plano de saúde de alguns funcionários da Assembleia e foi o primeiro presidente nos últimos anos a não entregar a cesta de Natal aos servidores. No início do mês funcionários tiveram de fazer uma “vaquinha” para pagar o caixão do motorista conhecido por Amâncio no valor de R$ 700. “Isso não é atitude de quem quer se eleger”, afirmou um membro da Mesa-Diretora.

Os parlamentares lembram que Marcelo não tentou a reeleição quando foi eleito pela primeira vez, com pouco mais de 20 anos, no início dos ano 1990. “Ele já tem esse histórico e a chegada de Alexandre pode minar mais seu eleitorado”, analisa o deputado, lembrando que desde a posse da governadora Roseana Sarney (PMDB) vários prefeitos já aderiram ao governo.

Para complicar esse cenário, cresce entre membros do PSB o sentimento de que já há Tavares demais candidatos pelo partido. Além do presidente da Assembleia e do ex-governador, o presidente da legenda, José Antonio Almeida, primo de Marcelo, vai tentar voltar à Câmara Federal.

A Alexandra seria o quarto membro (ou ex-membro) do clã a usar a legenda para galgar a carreira política. Em entrevista ontem, José Antonio não se mostrou muito disposto a levar o PSB a embarcar em mais uma aventura. Disse que na última reunião da Executiva sequer surgiu o nome da ex primeira-dama como pretensa candidata. “Não há oligarquia quando os nomes são submetidos à soberania popular”, defendeu.

Outro lado

O presidente da Assembleia, que está em São Paulo, disse não haver crise alguma com a suposta candidatura de Alexandra. “Não tenho nada com Alexandra, nem falo com ela. Acho que ela vai reforçar nossa chapa que ficou desfalcada com a saída de alguns nomes como do Cleomar Tema (ex-prefeito de Tuntum). Pelo que estou sabendo ela vai ser candidata a deputada federal, mas se for estadual será melhor. Ela não tira voto meu”, acredita.

Marcelo contou não haver oligarquia no partido porque “quem escolhe é o povo”. Ele também negou mau relacionamento com os funcionários da Casa. “Isso tudo é fofoca. O plano de saúde eu fiz foi aumentar. Recebo todos os servidores como nenhum outro presidente recebeu”, afirmou.

TJ recebe denúncia contra Ricardo Murad

qui, 10/09/09
por Décio Sá |

Ricardo teria caluniado Alexandra Tavares

O Tribunal de Justiça recebeu nesta quarta-feira, 9, denúncia oferecida pelo Ministério Público estadual contra Ricardo Murad, atual secretário de Saúde do Maranhão. O processo teve origem numa representação feita em março de 2005 pela então secretária extraordinária de Solidariedade Humana, Alexandra Tavares, por considerar que Murad imputara-lhe falso fato definido como crime – recebimento de dinheiro desviado de obras – por meio de reportagem da revista Veja, edição de 5 de janeiro do mesmo ano.

Por unanimidade, os magistrados acompanharam o relator, desembargador Jaime Ferreira de Araujo, pelo recebimento da denúncia, na sessão plenária jurisdicional desta quarta. Segundo o relator, o atual secretário de Saúde responderá a ação de acordo com o Código Penal.

Após revogar a Lei de Imprensa, em abril passado, o Supremo Tribunal Federal decidiu que os julgamentos por crimes contra a honra (calúnia, injúria e difamação) deverão ser processados com base nessa legislação. A lei revogada previa para o crime de calúnia, por exemplo, pena máxima de três anos, enquanto o Código Penal estipula em dois anos.

Reportagem

De acordo com os autos, a reportagem “Fantasmas Maranhenses – o governo pagou milhões de reais por estradas que não foram construídas, algumas ligando povoados que não existem” publicou uma declaração de Ricardo Murad, depois de deixar o governo de José Reinaldo, com o seguinte teor: “Pedi demissão para me candidatar a prefeito. O governador ficou irritado porque, antes de sair, adverti que havia um esquema para desviar recursos de obras fantasmas”.

Ainda segundo a denúncia do MP, o jornalista Policarpo Junior, autor da reportagem, afirmou que “segundo Murad, os empresários ficavam com 20% do valor liberado, e o restante era encaminhado a pessoas ligadas ao governo”.

O processo do MP informa que, seguindo a reportagem, Ricardo acusa a então secretária de ter recebido dinheiro desviado proveniente das referidas obras. “Os empresários me disseram que o dinheiro desviado foi entregue à primeira-dama”, disse Murad, segundo publicado pela Veja na edição n.º 1886.

Antes da votação pelo recebimento da denúncia do Ministério Público, e também de acordo com o voto do relator, os desembargadores rejeitaram as três preliminares apresentadas pela defesa do denunciado: ilegitimidade do MP para oferecer o processo, ausência de justa causa e inépcia da peça acusatória.

(As informações são do Tribunal de Justiça).



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade