Formulário de Busca

Serra e Dilma trocam farpas: críticas a Lula e FHC

sáb, 10/04/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Brasília – Os dois principais pré-candidatos à Presidência, o tucano José Serra e a petista Dilma Rousseff, mostraram neste sábado que a disputa eleitoral deste ano poderá cair em um confronto plebiscitário, com a comparação do governo Luiz Inácio Lula da Silva com o de Fernando Henrique Cardoso.

Serra apela para ter apoio de Aécio Neves em MG

Serra apela para ter apoio de Aécio Neves em MG

Em Brasília, no lançamento de sua pré-candidatura, Serra não poupou críticas indiretas a gestão Lula em várias áreas e voltou a repetir seu slogan de que o “Brasil pode mais”, que tem sido rejeitado por petistas.

Serra criticou a divisão do país em classes e regiões e ainda provocou seus adversários ao dizer que “o Brasil não tem dono” e que a oposição está preparada para “quanto mais mentiras disserem sobre nós, mais verdades diremos sobre eles”. Segundo Serra, é “deplorável que haja gente que, em nome da política, tente dividir o nosso Brasil”.

Já, em São Bernardo do Campo (SP), Dilma colocou-se como contraponto da oposição. “Estou aqui hoje e quero aproveitar este momento para me identificar com maior clareza. Os da oposição precisam dizer quem são. Vocês sabem quem eu sou, e vão saber ainda mais”, afirmou no início da fala.

A ex-ministra voltou a defender um Estado forte a serviço “do interesse nacional e da emancipação do povo brasileiro”. Em um possível governo, ela disse que não planeja vender os bens do Estado.

“Não permitirei, se tiver forças para isto, que o patrimônio nacional, representado por suas riquezas naturais e suas empresas públicas, seja dilapidado e partido em pedaços. Tenham certeza de que nunca, jamais me verão tomando decisões ou assumindo posições que signifiquem a entrega das riquezas nacionais a quem quer que seja”, afirmou a ex-ministra.

Dilma discursou em um evento no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC organizado por seis centrais sindicais, com a presença de Lula, Serra foi a lançado pré-candidato em Brasília no chamado “Encontro de Partidos” –PSDB, DEM e PPS.

No seu discurso, o ex-governador disse ainda que defende um país sem exclusão. “Não aceito o raciocínio do nós contra eles. Não cabe na vida de uma Nação. Somos todos irmãos na pátria. Lutamos pela união dos brasileiros e não pela sua divisão. Pode haver uma desavença aqui outra acolá, como em qualquer família. Mas vamos trabalhar somando, agregando. Nunca dividindo. Nunca excluindo”, afirmou.

Serra gastou parte do seu discurso criticando a falta de ações na área da Saúde durante o governo Lula após lembrar seus feitos à frente do Ministério da Saúde no governo FHC. “Criamos a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Saúde, a implantação dos genéricos, a proibição do fumo nos aviões e da propaganda de cigarros e a regulamentação dos planos de saúde”.

Já, Dilma alfinetou o governo FHC dizendo que o país da estagnação e desempregou ficou para atrás. “Acabou o tempo dos exterminadores de emprego, dos exterminadores de futuro. O tempo agora é dos criadores de emprego, dos criadores de futuro.”

Dilma 100410Falando em terceira pessoa, a ex-ministra (foto) também afirmou que não irá apelar na eleição, fazendo ataques pessoais aos adversários. “Vocês não verão Dilma Rousseff usando métodos desonestos e eticamente condenáveis para ganhar ou vencer.” Em um discurso dividido em seis tópicos, ela defendeu cinco pontos que planeja fazer e um que não faria: a privatização.

Em Brasília, Serra afirmou que boa parte da criminalidade do país é motivada pela certeza de “impunidade”. ‘Um país só poderá atingir a paz se se existir a garantia de que a atitude criminosa não ficará sem castigo.Quero que meus netos cresçam num país onde a lei será aplicada a todos. No país, nenhum brasileiro vai estar acima da lei. Com segurança na Justiça o Brasil pode mais”, disse.

Já Dilma disse ainda que defende os movimentos sociais. “Esteja onde estiver, respeitarei sempre os movimentos sociais, o movimento sindical, as organizações independentes do povo. Farei isso porque entendo que os movimentos sociais são a base de uma sociedade verdadeiramente democrática”, disse, segundo íntegra de discurso distribuído por sua assessoria. Durante a fala, Dilma fez alguns improvisos.

(Folha Online).



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade