Formulário de Busca

PCdoB amarela e transforma vereadores em ‘heróis’

seg, 01/02/10
por Décio Sá |
categoria Política local

PSEUDO BEm uma decisão totalmente maluca o PCdoB, após quase quatro horas de discussão, “considera incorreta” vereadores receberem recursos da Prefeitura de São Luís através de entidades ligadas a parentes. No entanto, não anunciou nenhum tipo de medida em relação a Rose Sales e Fernando Lima que embolsaram R$ 600 mil do governo tucano João Castelo desta forma.

Em nota assinada pela “Comissão Política Municipal do PCdoB de São Luís”, que não informa seus membros, o partido diz que os vereadores comunistas vão agora “apresentar imediatamente um projeto de lei que vede esta prática, e corrija a ausência de legislação municipal, a exemplo do que já acontece na esfera federal”.

Ou seja, depois de embolsarem a mufunfa, eles vão propor a  moralização da questão. E os R$ 600 mil, por questões morais, não teriam de devolver? É, guardadas as devidas proporções, como se eu fosse ladrão e propusesse uma lei anti-roubo. Parece piada; e é. João Amazonas deve estar se revirando no túmulo.

É por essa e outras que o PCdoB do Maranhão já está sendo chamado de PSEUdoB.

E dona Sandra Elouf, promotora de entidades e fundações, tão zelosa que é, está dizendo o quê dessa situação? Pelo que o blog foi informado não são só os dois comunistas que escalaram órgãos prá lá de suspeitos para receber dinheiro de emendas parlamentares. Muitos outros vereadores fizeram o mesmo.

Abaixo, a íntegra da nota do PCdoB. Só não ria se não for capaz:

Partido Comunista do Brasil – Comitê Municipal de São Luís – NOTA
 
“O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) frente à matéria veiculada no jornal O Estado do Maranhão, na edição de 30/01/2010, vem a público reafirmar seus compromissos de respeito aos mecanismos democráticos e constitucionais vigentes, reafirmando nossa história de luta em defesa do povo brasileiro e tecer de forma específica as seguintes considerações:
 
1. As emendas parlamentares representam uma conquista do Poder Legislativo no tocante à participação nas decisões orçamentárias. A Câmara Municipal de São Luís conquistou esse expediente fruto de uma luta contra a centralização administrativa. Todos os 21 vereadores tiveram a garantia da prerrogativa de emenda parlamentar, em 2009, independente de ser oposição ou governo.
 
2. Os vereadores Fernando Lima e Rose Sales cumpriram todos os critérios para indicação das emendas, no prazo legal (primeiro semestre de 2009), entretanto, a mudança de regra pela Prefeitura de São Luís em dezembro levou o Parlamento Municipal a necessidade de apresentar entidades para gerir os recursos.
 
3. O PCdoB considera incorreta a indicação de emendas para entidades não governamentais, cuja direção tenha parentes de parlamentares. Inclusive, irá através de seus vereadores, apresentar imediatamente, um projeto de lei que vede esta prática, e corrija a ausência de legislação municipal,  a exemplo do que já acontece na esfera federal.
 
4. Os nossos parlamentares fiscalizarão a aplicação e a prestação de contas de todos os recursos recebidos pelas entidades, que gozam de idoneidade pública e relevantes serviços prestados e apresentarão à sociedade civil e aos órgãos competentes.
 
5. O PCdoB ressalta que o exercício parlamentar dos vereadores Fernando Lima e Rose Sales são assentados nos nossos princípios programáticos e na defesa da justiça social.
 
6. Por fim, o PCdoB reafirma sua postura de oposição ao Governo Castelo, que questionamos legitimamente na Justiça eleitoral, não havendo qualquer mudança de posição partidária em razão de Emendas Parlamentares.
 
São Luís, 1º de Fevereiro de 2010.
 
Comissão Política Municipal do PCdoB São Luís.”

PCdoB pode punir vereadores que receberam R$ 600 mil do tucano João Castelo

dom, 31/01/10
por Décio Sá |
categoria Política local

PSEUDO BOlha, tem-se de tirar o chapéu para o prefeito João Castelo (PSDB). O homem criou uma crise dos diabos no PCdoB do rival Flávio Dino. Tudo por conta de uma matéria publicada na edição deste sábado de O Estado do Maranhão, de autoria do repórter Diego Torres, dando conta que os vereadores comunistas Rose Sales e Fernando Lima receberam R$ 330 mil e R$ 276 mil, respectivamente, em emendas da Prefeitura de São Luís. O problema é que os dois comunistas destinaram os recursos  aos cofres de entidades comandadas (ou que já foram) pelos próprios cônjuges.

Flávio Dino fez uma reunião de emergência neste sábado com a direção do PCdoB. O homem soltava faísca por tudo quanto é poro. Exigiu da direção municipal de São Luís uma posição enérgica contra os camaradas. Em conversas paralelas, os membros do partido falaram até em expulsão.

Tudo porque não pega bem para o PCdoB, que está querendo afastar Castelo da prefeitura na Justiça Eleitoral, vê seus vereadores recebendo dinheiro de Castelo. Pior: destinado a entidades comandadas por parentes.

Isso é o que se pode chamar de um doce veneno tucano. Abaixo, a íntegra da reportagem:

Comunistas recebem R$ 600 mil em repasses feitos pela Prefeitura

Os vereadores Fernando Lima e Rose Sales (ambos do PCdoB) receberam mais de R$ 600 mil em emendas parlamentares da Prefeitura de São Luís para entidades dirigidas por parentes. O Instituto Hugo Reis, presidido por Henrique Moreira, marido da vereadora Rose Sales, recebeu R$ 330 mil. Já a Associação de Pais e Amigos de Deficientes Auditivos (Apada), que foi dirigida por Dirce Lima, esposa do vereador Fernando Lima, recebeu R$ 276 mil.

Fernando Lima e Rose Sales

Fernando Lima e Rose Sales: na mira do PCdoB

O PCdoB requer na Justiça Eleitoral, em três ações, a cassação do mandato de prefeito João Castelo (PSDB) por abuso de poder econômico. As ações foram ajuizadas pelo deputado federal Flávio Dino (PCdoB). Tanto Fernando Lima quanto Rose Sales confirmaram o recebimento das emendas parlamentares para suas entidades.

A vereadora Rose Sales disse a O Estado que usou R$ 80 mil dos R$ 330 mil recebidos para a compra do imóvel onde funcionará a partir de março a sede do Instituto Hugo Reis (homenagem ao seu pai),na Avenida São Sebastião, nº 79, no bairro Anil. Os R$ 250 mil restantes seriam aplicados em obras em seis bairros que, segundo ela, compõem o Grande Anil.

Segundo Rose Sales, ela mesma decidiu onde serão aplicados os recursos e fez questão de ressaltar que se opõe somente politicamente a Castelo e não à sua pessoa. A vereadora disse não ver problemas em destinar R$ 330 mil ao instituto comandado pelo seu marido.

“É normal em qualquer cidade do país que o prefeito destine verbas a todos os parlamentares. Fiz uma parceria interinstitucional entre a Secretaria Municipal de Obras e o Instituto Hugo Reis. O fato de uma entidade ligada a um vereador receber o dinheiro é mais uma forma de administrar onde e como serão aplicados os recursos”, afirmou. São Luís é uma das poucas capitais do país que vereador recebe emenda.

O vereador Fernando Lima, em entrevista por telefone, afirmou apenas que recebeu R$ 10 mil para a realização do Curso de Prevenção a Doenças Cardiovasculares, promovido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia do Maranhão (SBC/MA), e R$ 40 mil para a reforma do prédio onde funciona a Maternidade Nossa Senhora da Penha, no Anjo da Guarda.

Fernando Lima é dirigente da SBC. A Prefeitura não confirmou a reforma do hospital. Lima negou que a Apada, da qual é ex-presidente, tivesse recebido verbas municipais.

Segundo a edição do Diário Oficial do Município de 7 de janeiro de 2010, a Apada recebeu R$ 276 mil, por meio de “parceria interinstitucional” com a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social. A presidente da associação era Dirce Lima, mulher do comunista.



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade