Formulário de Busca

Pedro Meirelles e Roberto Viegas fazem curso nos EUA

qua, 02/06/10
por Décio Sá |
categoria Cidades

O chefe da Unidade Especial de Investigação de Desvio de Recursos Públicos da Polícia Federal do Maranhão, delegado Pedro Meirelles, e o chefe da CGU (Controladoria Geral da União) no Estado, Roberto Viegas, participaram durante 15 dias de um curso de aperfeiçoamento de combate a corrupção patrocinada pelo governo dos Estados Unidos. O curso anticorrupção aconteceu de 26 de abril a 7 de maio na Universidade George Washington, em Washington D.C., capital do país. 

Pedro Meirelles e Roberto Viegas (à esq.) durante o curso

Pedro Meirelles e Roberto Viegas (à esq.) durante o curso

Durante o treinamento, eles aprenderam novas técnicas de investigação, de combate à corrupção, auditoria e como funcionam e trabalham os órgãos dos Estados Unidos no enfretamento ao desvio de recursos públicos. “A gente obteve uma gama de informações com as quais será possível fazer um trabalho melhor no país. Importante também foram os contatos com profissionais de todo mundo que a gente fez”, disse Pedro Meirelles, que fez até palestra sobre como funciona o trabalho de combate à corrupção no Brasil.

O delegado e o chefe da CGU visitaram o FBI (a Polícia Federal americana), o Departamento de Justiça (equivalente ao Ministério da Justiça) e vários departamentos do órgão como a Divisão Criminal, espécie de Ministério Público Federal.

Pedro Meirelles e Roberto Viegas vem se destacando no Maranhão pelo trabalho de combate ao desvio de recursos públicos feito em parceria pela Polícia Federal e CGU. Eles são os principais responsáveis pelo desenvolvimento da Operação Rapina, já em sua quinta edição.  Na primeira, em 2007, foram presas 118 pessoas. Na ocasião, foi a maior do país em números de suspeitos detidos de uma só vez.

Em 2006, o delegado já tinha comando a Operação Galáticos, em Imperatriz, quando foram presos cerca de 80 pessoas acusadas da prática de crimes pela internet.

Prefeito sacou R$ 1,1 milhão na boca do caixa

seg, 10/05/10
por Décio Sá |
categoria Polícia

Na semana passada o blog trouxe a informação de que o preso preso de Satubinha, Mão de Ouro (PP), sacou R$ 60 mil mesmo estando atrás das grades (reveja). O prefeito de Serrano, Vagno Pereira, o Banga (PTdoB), passou R$ 45 dias em Pedrinhas por que foi pego sacando R$ 10 mil na boca do caixa. Depois descobriu-se que nos últimos seis meses os saques dessa forma no município passaram dos R$ 3 milhões. Diante de tanto escândalo, o Banco do Brasil distribuiu circular aos seus gerentes proibindo a prática no estado.

Mas as denúncias não param. O blog recebeu cópia de três cheques da Prefeitura de São Domingos do Maranhão, administrada por Kleber Tratorzão (PDT), também retirados no caixa do BB ano passado.

Um no valor de 403,928 mil, outro de R$ 500,572 mil e o último de 244,650 mil, totalizando R$ 1,149 milhão. Todos ao emitente e assinados pelo prefeito. O blog também está de posse de notas fiscais de uma papelaria onde a prefeitura comprou água sanitária, sabão em pó, vela para filtro e vassoura. Veja por enquanto a cópia dos cheques com seus próprios olhos:

cheque tratorzão 3

cheque tratorzão 1

cheque tratorzão 2

Impasse deixa Serrano com ‘dois’ prefeitos

qua, 05/05/10
por Décio Sá |
categoria Maranhão

Banga-05052010Confusão em Serrano do Maranhão. A Câmara cassou hoje o prefeito Vagno Pereira,  Banga (PTdoB), solto ontem após 45 dias preso pela Polícia Federal acusado de fazer saques milionários de recursos municipais na boca do caixa. Seis vereadores resolveram afastá-lo justamente por conta das denúncias. Segundo a CGU (Controladoria Geral da União), Banga (foto) fez saques de R$ 3,1 milhões na boca do caixa em apenas seis meses (reveja).

Com a chegada dele ao município foi criado um impasse. O prefeito em exercício, Hermínio Pereira (PSDB), baseado na decisão da Câmara, continua no prédio da prefeitura protegido por um grupo de manifestantes. Banga está numa casa ao lado comemorando com seus partidários.

“Ele está aqui ao lado fazendo festa e soltando foguetes na maior cara de pau. Se ele tivesse respeito com o povo de Serrano não tinha sequer voltado para a cidade. Qual o respaldo que uma pessoa que foi preso em flagrante pela Polícia Federal, roubando dinheiro de Serrano, tem? Esse cidadão em um ano nunca botou um prego numa barra de sabão e ainda se diz inocente”, declarou o tucano, que é presidente licenciado da Câmara de Vereadores.

Moradores protestam contra Banga

Moradores protestam contra volta de Banga

Ele disse ao blog que só deixará  prédio da prefeitura por decisão da justiça. “O povo não quer que eu saia. O povo está revoltado, mas quando o povo quer a gente não controla”, alertou para a possibilidade de quebra-quebra na cidade. A polícia reforçou a segurança em Serrano.

Hermínio alega que em um mês à frente da prefeitura colocou os salários em dia, regularizou a merenda escolar, o funcioamento do hospital, e ainda esta semana vai inaugurar uma escola.

Leocádio condenado de novo

Para completar a confusão em Serrano, o TCE desaprovou nesta quarta-feira as contas do prefeito cassado Leocádio Rodrigues (PDT). Por conta de várias irregularidades, ele terá de devolver aos cofres do município R$ 8,7 milhões. Com a cassação do pedetista, Banga, eleito vice-prefeito, havia assumido a prefeitura. Leocádio foi visto hoje no Tribunal de Justiça. Ele tenta reverter a decisão que o afastou do cargo.

Nota: Post alterado às 19h35 para acréscimo de informações.

Prefeito de Serrano é preso em flagrante pela PF

sex, 19/03/10
por Décio Sá |
categoria Polícia

Prefeito de Serrano BangaO prefeito de Serrano do Maranhão, Vagno Pereira, o Banga (PTdoB), foi preso nesta sexta-feira em flagrante pela Polícia Federal (PF) na agência do Banco do Brasil de Cururupu quando tentava sacar cerca de R$ 10 mil de recursos federais da conta do município. Ele fazia o saque através de cheque avulso quando o correto seria através de autorização de débito.

Banga (foto) foi eleito em 2008 vice-prefeito da cidade e chegou ao comando do município com a cassação do então companheiro de chapa Leocádio Rodrigues (PDT). A guerra judicial pelo controle da cidade já levou pedetista e o trabalhista ao comando de Serrano várias vezes.

Segundo a PF, o prefeito sacou R$ 2 milhões do Fundeb de Serrano, entre setembro de 2009 e fevereiro de 2010. Ele também estava desviando, segundo a polícia e a CGU, recursos de programas da área de saúde, do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), entre outros. Na semana passada, Banga sacou R$ 290 mil do Fundeb.

Recursos de programas federais só podem ser utilizados com cheques em nome dos fornecedores ou em tranferências identificadas. Pelo golpe, o prefeito vai responder por desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal e normas de várias outras leis federais.

(Com informações do imirante.com).

Notas rápidas

ter, 16/03/10
por Décio Sá |
categoria Cidades, Eleições

PF age contra madeireiros em Amarante
A Procuradoria da República em Imperatriz pediu à Polícia Federal investigação sobre a invasão armada e agressões por parte de madeireiros em aldeia indígena Rubiácea. Assim que soube da invasão e da possibilidade de novas invasões, o Ministério Público Federal encaminhou ofício à PF pedindo que fossem realizados levantamentos preliminares e, a partir de então, adotadas providências cabíveis. Para isso, determinou a instauração de quantos procedimentos investigatórios fossem necessários com a finalidade de apurar o caso.

Na manhã da segunda-feira (8) um bando de 40 madeireiros armados com revólveres calibre 38 invadiram a aldeia Rubiácea, da etnia Galvão, a 17 km da cidade de Amarante. Eles pretendiam resgatar três caminhões com 50 metros cúbicos de madeiras que haviam sido apreendidos na reserva indígena Araribóia, durante a Operação Arco de Fogo, desencadeada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pela Força Nacional.

Corte de mangueira gera prostestos em Barra do Corda
mangueira13aO corte de uma mangueira centenário no bairro da Trizidela, em Barra do Corda, provocou a revolta da população e até de autoridades. As críticas ao prefeito Manoel Mariano, o Nenzim, do Partido Verde, não param. O homem nem consegue mais sair na rua. Até o promotor do meio ambiente no município divulgou nota de protesto.

O crime ambiental aconteceu no sábado 13, às 20h20. O prefeito, pai do deputado Rigo Teles (PV), comandou a operação pessoalmente, juntamente com os secretários de Finanças, Pedro Teles, e do Meio Ambiente, Raimundo Reis. Zezinho Medeiros, um dos moradores que ao lado de outros resistiram ao corte da mangueira, cobravam a ordem judicial para que fosse feito o corte. Mas o secretário Pedro Teles, prefeito de fato da cidade, dizia: “É pra derrubar. Quem manda aqui é o prefeito Nenzin.” Leia toda a confusão aqui.

Nova confusão em São Francisco do Maranhão
Na iminência de ter confirmada pelo TSE sua terceira eleição em menos de um ano, os eleitores da pequena São Francisco do Maranhão podem ter de conviver com mais uma reviravolta. Vencedor do segundo pleito realizado em 28 de fevereiro, o democrata Chico Pechó pode ser impedido de concorrer. É que ele teve sua prestação de contas da primeira eleição em outubro de 2008 reprovada pelo TRE. Só foi candidato agora porque o tribunal ainda não tinha confirmado a decisão, o que só ocorreu no dia 25 de fevereiro. Se acontecer mesmo a terceira eleição, Pechó estará fora por não ter quitação eleitoral, uma das condições de elegibilidade.

Verdadeiro motivo
Só ainda não entendeu quem não quer. O prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), está criando as condições para tirar a Limpel e Limpfort do trabalho de coleta de lixo da cidade. Motivo: as duas empresas sempre foram ligadas ao desafeto, o hoje secretário Tadeu Palácio (Turismo). O que a prefeitura faz: atrasa os pagamentos e as empresas não tem como manter o padrão dos serviços e o pagamento em dia dos funcionários. Com isso, cria um clamor público contra as firmas. Foi assim que rompeu ontem o contrato com a LimpFort. Quem anda feliz da vida é o empresário Ricardo Cordeiro, da Cefor, ligado a Castelo desde a época do Porto do Itaqui. Ele sempre disse aos mais próximos que seu sonho de consumo era justamente a limpeza urbana da capital.

Procurador denuncia Weverton à PF e Justiça Federal

dom, 14/03/10
por Décio Sá |
categoria Polícia

Por Waldirene de Oliveira, em O Estado do Maranhão:

O procurador da República Juraci Guimarães Júnior denunciou à Justiça Federal o ex-titular da Secretaria de Esporte e Juventude (SESPJUV), Weverton Rocha, e o ex-assessor jurídico do órgão, Cléber Viégas, por contratarem, com dispensa e inexigibilidade de licitação, as duas instituições que receberam antecipadamente R$ 2,5 milhões dos R$ 114.898.405,39 do ProJovem Urbano destinados ao Maranhão em 2008. O representante do Ministério Público Federal também encaminhou a denúncia à Polícia Federal, para que sejam investigados os indícios de desvio e apropriação indébita das verbas do programa, que deveria garantir a capacitação de milhares de jovens maranhenses no governo Jackson Lago.

Weverton era 'menino de ouro' de Jackson Lago

Weverton Rocha era 'menino de ouro' de Jackson Lago

Os dois denunciados são acusados de cometer os crimes previstos no artigo 89 da Lei 8.666 (dispensar ou inexigir licitação fora das hipóteses previstas em lei, ou deixar de observar as formalidades petinentes à dispensa ou inexigibilidade) e estão sujeitos a pena de detenção que varia de três a cinco anos, além do pagamento de multa.

A denúncia, que agora tramita na 1ª Vara da Justiça Federal, é baseada nos resultados de auditoria realizada pela Controladoria Geral do Estado (CGE) na SESPJUV, e do conseqüente inquérito da Polícia Civil que apontaram irregularidades no uso dos recursos do Projovem e já levaram ao indiciamento de Weverton Rocha e Cléber Viégas – por fraude em licitação, patrocínio de interesse privado e obtenção de vantagem indevida. Inicialmente esse processo foi encaminhado ao Ministério Público Estadual, mas por se tratar de verbas federais foi transferido para a Procuradoria da República no Maranhão.

Contratos

As irregularidades foram constatadas em dois contratos firmados por Weverton Rocha: a Fundação Darcy Ribeiro (Fundar), com sede no Rio de Janeiro, foi contratada por meio de dispensa de licitação e pelo valor de R$ 1.226.492,00 para formar os educadores que atuariam no Projovem Urbano. Por inexigibilidade de licitação, o Instituto Maranhense de Administração Municipal (Imam) firmou contrato de R$ 113.671.913,39 para desenvolver as ações previstas no programa, diretamente com os jovens. Foram pagos antecipadamente R$ 294 mil à Fundar e R$ 2.256.000,00 ao Imam.

“Está comprovado nos autos o flagrante desrespeito à Lei das Licitações, já que as empresas foram contratadas, sem amparo legal, por dispensa ou inexigibilidade de licitação. Além disso, o pagamento antecipado por serviços não realizados, a existência de aditivo contratual que sequer tem data são indícios de que esses contratos serviram de instrumento para o desvio e a apropriação indébita de recursos públicos. Mas como neste caso não houve comprovação na auditoria da CGE e o inquérito policial civil não se aprofundou nessa investigação, estamos requerendo uma nova apuração, agora pela Polícia Federal”, explicou Juraci Guimarães, acrescentando que são necessárias, entre outras medidas, a quebra de sigilo bancário para comprovar que houve desvio, quem se apropriou dos recursos e de que forma.

Cópias

No caso da Fundar, Juraci Magalhães afirma que o texto do contrato é praticamente o mesmo utilizado para a contratação do Imam, com a diferença de que um foi firmado por dispensa e o outro por inexigibilidade de licitação, além de terem sido assinados na mesma data. “Não fizeram qualquer pesquisa de mercado e não explicaram qual era a metodologia exclusiva que justificou a contratação direta do Imam, já que no âmbito de São Luís existem várias entidades sem fins lucrativos que fazem a profissionalização de jovens”, ressaltou o procurador.

O procurador disse que o inquérito policial civil, de três volumes, não se aprofundou na investigação de forma a assegurar as provas necessárias à abertura de uma ação penal por desvio de recursos, por isso o encaminhamento da denúncia à Polícia Federal. “Já temos, inclusive, um procedimento aberto na Procuradoria para apurar se houve nesse caso improbidade administrativa, que tem como sanções a perda da função, perda de direitos políticos e inelegibilidade”, acrescentou ele.

Notícias da tarde

sex, 05/03/10
por Décio Sá |
categoria Política local

Edivaldo Holanda, o censor
Além de chamar colegas para “engatar” durante as sessões da Assembleia, o deputado e suposto evangélico Edivaldo Holanda (PTC) agora quer patrulhar o trabalho dos jornalistas da Casa. Coloca vários assessores no Comitê de Imprensa para fiscalizar principalmente o que a assessoria do legislativo vai escrever sobre ele. Aburdos dos absurdos, o deputado quer ler as matérias antes delas irem para o site da Assembleia. Além disso quer destaque e matérias sobre todas as baboseiras que fala da tribuna. Felizmente, o presidente Marcelo Tavares (PSB) não tem deixado o colega conseguir seus intentos. Está passando da hora do Comitê se posicionar publicamente sobre o assunto e até emitir uma nota colocando o parlamentar no seu devido lugar.

Popularidade
Na sexta-feira passada estive em Estreito para acompanhar o ministro Edison Lobão (Minas e Energia) na visita às obras da hidrelética da cidade. Lá encontrei o prefeito de Imperatriz, cidade onde também estive, e perguntei a ele sobre o aumento da popularidade da governadora Roseana Sarney (PMDB) no município. “Eu diria que ela está diminuindo sua rejeição”, admitiu Sebastião Madeira (PSDB).

Chiquinho e Lobão em EstreitoEm alta
Quem também esteve em Estreito foi o secretário Chiquinho Escórcio. Representante de Roseana no evento, ele era só alegria com apoio de público feito pelo prefeito da cidade, Zequinha Coelho, à sua candidatura a deputado federal. Chiquinho até posou com Lobão para fotos em frente ao desvio feito no rio Tocantins.

Tema não abre nem pro trem!
Encontrei o ex-prefeito Cleomar Tema (Tuntum) quarta-feira no Tropical Shopping Center. Ele me garantiu apoiar a reeleição do deputado e secretário Ricardo Murad (Saúde). Perguntei se não poderia apoiar a deputada Cleide Coutinho (PSB) por conta de apelos feitos pelo marido-prefeito, Humberto Coutinho (Caxias), no sentido do secretário liberar Tema para a socialista. “Não tem como. Meu compromisso é com o Ricardo. Já votei nele cinco vezes”, disse ele.

Lobby familiar
Eleito secretário de Comunicação do PT, Fábio Dias fez uma proposta inusitada na primeira reunião da Executiva do partido no início da semana. Conseguiu aprovar a ida de um grupo de dirigentes petistas ao TRE no sentido de pressionar a Corte em relação ao andamento do processo do prefeito cassado de Barreirinhas, Miltinho Dias (PT). Detalhe: Fábio e Miltinho são irmãos. Pior: Fábio foi o secretário de Educação da cidade que projetou a construção de uma escola dentro do cemitério da cidade, conforme denunciou o Bom Dia Brasil (reveja).

De novo vice?
Não é à toa que ex-deputada Terezinha Fernandes está de corpo e alma no movimento para levar o PT para a foice do deputado Flávio Dino (PCdoB). Ela sonha em ser vice de uma pretensa candidatura comunista ao Governo do Estado. Em 2006, Terezinha foi vice de Edison Vidigal (PSB) e acabou quebrando a cara.

Novo Aderson?
Sábado passado o jornalista Márcio Jerry, assessor para toda obra do deputado comunista, fez que não me viu na barraca da Marcela quando se reunia com um grupo de petistas. Ao passar por minha mesa com celular na cara, brinquei: “Que isso camarada! Tu ainda nem foi nomeado chefe da Casa Civil do futuro governo Flávio Dino e já estás dando uma de Aderson Lago?”. Ele riu e jurou de pés juntos que não tinha me visto. Nem os garçons do bar acreditaram.

Caos em São Domingos do Maranhão
A coisa anda feita em São Domingos do Maranhão, administrada pelo “prefeito-balaio” Kleber Tratorzão (PSB). Parte das aulas só deve começar no segundo semestre e os funcionários estão com até quatro meses de salários atrasados. O motivo seria um rombo de R$ 8 milhões provocado por um ex-secretário municipal, parente de Tratozão, nas contas da prefeitura. O prefeito tenta, tenta, tenta… e não encontra saída para tapar o buraco.

Henrique, o coordenador
Henrique Sousa, o “homem das verdinhas” do PT, já está coordenando a campanha do ainda superintende da CEF no Maranhão, José Carlos Nunes, a uma vaga na Assembleia. Para quem não sabe o homem forte do “Minha Casa, Minha Vida” no Maranhão foi mesmo mordido pela “mosca azul”. Tudo com as bênçãos do vice-presidente da CEF, o amigo Carlos Borges.

Cavalo selado
Durante encontro do PT sábado, um grupo brincava dizendo que o “cavalo selado” do Senado está passando pela porta de petistas e comunistas e ninguém ainda montou. O secretário José Antonio Heluy (Trabalho) não se fez de rogado: “Eu sei montar neste tipo de cavalo”.

Numa boa
Ex-assessor de Luiz Pedro na chefia de gabinete do cassado Jackson Lago (PDT), o militante pedetista Ney Passinho anda fazendo a festa na Prefeitura de Centro Novo do Maranhão. Teria nada menos que cinco empresas ligadas a ele prestando serviço ao município.

Confusão à vista
Não sabe a ação da Polícia Federal que matou seis assaltantes de bancos em Santa Luzia do Paruá? Pois é, os federais investigam a suposta ligação de um dos bandidos com um deputado estadual. Pior: a quadrilha está sendo investigada por uma equipe especial da PF, com agentes de Brasília (DF) e Belém (PA), por determinação do Ministério da Justiça.

Anote aí!
Não será supresa para este blog se o presidente Lula voltar ao Maranhão ainda este mês.

Réus da Navalha tentam tirar processo do STJ

qua, 17/02/10
por Décio Sá |

josé reinaldo navalha 2010Foi publicado nesta quarta-feira no Diário da Justiça decisão da Corte Especial do STJ negando recurso aos réus na Operação Navalha de desaforar o caso daquele tribunal. O motivo é o fato do acusado Flávio Conceição de Oliveira Neto não ser mais conselheiro do TCE de Sergipe.

Na época da deflagração da ação da Polícia Federal, foi ele e Jackson Lago quem deram foro priveligiado ao caso. O pedetista maranhense, como se sabe, foi cassado e passou a ser processado. Em 2007, ele usou a Assembleia Legislativa para não responder ao inquérito.

“O único réu que atrai a competência para processar e julgar esta ação penal, em face do indeferimento para processar os governadores de estado por suas Assembleias Legislativas, é o réu e conselheiro Flávio Conceição. Ressalte-se que apenas foi deferida, nos autos da Ação Popular n.2009.112.01706, em trâmite perante a 12ª Vara Cível da Comarca de Aracaju/SE, tutela antecipatória que suspendeu, temporariamente, os efeitos do decreto que nomeou o conselheiro, procedimento sujeito a confirmação quando do julgamento final da ação. Assim sendo, subsiste, por hora, a competência desta Corte Superior, ao que indefiro o pedido de questão de ordem formulado”, diz a ministra e relatora Eliana Calmon.

Seguiram o voto da relatora os ministros Francisco Falcão, Nancy Andrighi, Laurita Vaz, Luiz Fux, João Otávio de Noronha, Nilson Naves, Ari Pargendler, Fernando Gonçalves, Felix Fischer, Aldir Passarinho Junior e Hamilton Carvalhido. O ministro Teoriu Albani Zavascki se deu por impedido e Gilson Dipp justificou  sua ausência. A tentativa de desaforamento foi pedida pelo ex-presidente da Companhia Energética do Piauí Jorge Targa Juni.

Flávio Conceição  foi afastado do TCE pela justiça de Sergipe por causa do seu envolvimento na quadrilha comandada pelo empreiteiro Zuleido Veras, dono da Gautama. A estratégia dos réus, entre os quais o ex-ministro Silas Rondeu (Minas e Energia), o ex-governador José Reinaldo Tavares (na foto de Paulo Soares embarcando algemado) e o ex-secretário Aziz Santos (Planejamento), é tirar o processo do STJ para que ele seja julgado por um juiz federal. Com isso, o julgamento demorará ainda mais.

Neste caso, possivelmente o caso ficará sob a responsabilidade da Justiça Federal da Bahia onde as investigações começaram. Reveja aqui a relação de 61 denunciados pelo Ministério Público Federal.

TRE pode ser alvo de operação da PF

qua, 10/02/10
por Décio Sá |

PF100210Os corredores do TRE estão agitados. Tudo por conta de uma suposta operação da Polícia Federal (PF) contra assessores do órgão, advogados e até filhos de ex-integrantes do tribunal. A ação teria como motivação negociações de decisões durante as eleições passadas.

A deflagração da ação policial só estaria dependendo de uma ordem de um juiz federal do Maranhão. Nessa primeira fase, a operação não tem ninguém com foro privilegiado como alvo.

O blog teve acesso as informações através de advogados e funcionários da Corte Eleitoral. Um deles, inclusive, com receio de ser preso, está tentando ter acesso ao inquérito com base em decisão recente do STF. O caso corre em segredo de justiça. Pelo menos seis assessores e três advogados seriam alvo da ação policial.

O ano de 2008 foi muito contubardo no TRE. As sessões de julgamento de inelegibilidade de prefeitos e vereadores chegaram a entrar pela madruga. Vários fóruns foram incendiados no interior. Um dos episódios mais famosos foi aquele em que um prefeito teria pedido a devolução do dinheiro pago por uma sentença.

O caso chegou a ser comentado pelo desembargador Bayma Araújo em entrevista ao blog no início de 2009. Gerou um rebuliço dos diabos. Diante da polêmica, o decano do Tribunal de Justiça explicou ter apenas externado comentários que corriam de boca em boca e pela imprensa. Foi o bastante para a PF começar a entrar em ação.

Clique abaixo e ouça a entrevista de Bayma Araújo.

Economista que denunciou Arruda tem 20 vídeos inéditos

dom, 06/12/09
por Décio Sá |

Durval Barbosa 061109

Gravações de Durval Barbosa abalaram Brasília

Brasília – Ameaçado de morte, o economista Durval Barbosa, pivô da Operação Caixa de Pandora, que desbaratou o “mensalão do DEM”, é mantido sob forte esquema de segurança desde 27 de novembro, em local secreto, à disposição do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Amparado pelo Programa de Proteção a Testemunhas do Ministério da Justiça, ele tem arsenal de fitas, que constitui o maior arquivo digital sobre a rede de corrupção na capital do País.

Conhecido como “rei do grampo”, Durval teria mais 20 gravações inéditas, o que tira o sono de muita gente. O próximo depoimento vai ocorrer após a Polícia Federal concluir perícia de documentos e vídeos apreendidos na primeira fase da operação. Até agora ele anexou ao processo 30 fitas, o suficiente para colocar nas cordas o governador José Roberto Arruda (DEM-DF), suspeito de ser chefe de uma rede de arrecadação e distribuição de propina que funcionava no seu governo e envolvia secretários de Estado, parlamentares e autoridades.

Delegado de Polícia Civil aposentado, o piauiense Durval Barbosa montou sua máquina de grampos na década 90, quando comandou a instituição. De posse de um equipamento do porte do Guardião da Polícia Federal, capaz de interceptar centenas de telefones simultaneamente e cruzar dados, ele usou a grampolândia para chantagear autoridades e políticos.

De família de imigrantes do Piauí, Durval é irmão do deputado Milton Barbosa (PSDB), também delegado da Polícia Civil. Os dois cresceram à sombra do cacique Joaquim Roriz (ex-PMDB, hoje no PSC), governador do DF por quatro vezes.A aliança com Roriz foi construída em cima da central de grampos, que o ex-governador teria usado para bisbilhotar rivais e aterrorizar servidores, inclusive do Judiciário. Nos últimos governos dele (1998-2006), os irmãos chegaram ao apogeu.

Barbosa – que, segundo o Ministério Público, tem patrimônio de R$ 20 milhões – instalou-se em 2000 na Companhia de Desenvolvimento do Planalto Central (Codeplan), estatal responsável pela administração dos gastos da máquina. Milton elegeu-se deputado distrital.A central de grampos chegou a atender grupos privados, inclusive da máfia da grilagem de terras no DF, conforme apurou a CPI da Grilagem da Câmara Legislativa. Em 2009, a CPI das Escutas Clandestinas indiciou Barbosa no seu relatório final.

Desde a década de 90, ele estabeleceu conexões com João Arcanjo Ribeiro, o Comendador Arcanjo, condenado a 40 anos de prisão, e com o empresário de jogos Carlinhos Cachoeira. Aliou-se também a Messias Ribeiro, dono da Sapiens Tecnologia, envolvida num esquema de desvio de dinheiro público no governo Roriz, desvendado pela Operação Megabyte. Em 4 anos, foi desviado um total de R$ 1,2 bilhão, diz o Ministério Público.

Barbosa fez acordo de delação premiada em troca de redução de pena por seus crimes. Ele responde a 37 processos na Justiça. Na primeira instância, é réu em um caso criminal e 17 ações civis, quase todas por improbidade administrativa, no período em que comandou a Codeplan, de 2000 a 2006. Outros 19 processos correm na segunda instância. Sua situação complicou-se em fevereiro passado, quando teve a primeira condenação e viu os demais processos começarem a andar.

Ex-mulher

A atriz Mariane Vicentini, ex-mulher do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, não se surpreendeu com as denúncias e as imagens de corrupção que colocam seu ex-marido como o chefe da quadrilha do Mensalão do Demo. “Ele se aliou a pessoas que são sujas e perigosas, e há muito mais para ser investigado” disse Mariane à ISTOÉ, referindo-se a Durval Barbosa (ex-secretário de Relações Institucionais), Marcelo Toledo (braço direito de Durval) e Fábio Simão (ex-chefe de gabinete).

Segundo a ex-mulher de Arruda, além do dinheiro entregue em espécie, o governador teria gastos pessoais pagos com dinheiro ilegal através de cartões de crédito usados por seus principais auxiliares. Ela se recorda, por exemplo, de uma viagem para Aruba e depois Paris, no final de 2006. “A viagem foi feita pouco antes da posse dele como governador. Em Paris, nos hospedamos no hotel Plaza Athénée e todas as despesas foram pagas no cartão de Simão”, afirma. “O dinheiro tinha sido arrecadado junto a empresários que têm interesses no governo do DF.”

A ex-mulher acusa Arruda e seu grupo de estarem usando o dinheiro arrecadado na compra de propriedades e citou um haras nos arredores de Brasília. “Não sabia que Arruda gostava tanto de cavalos, mas soube que ele comprou um haras e recentemente deu de presente para nosso filho de quatro anos um cavalo puro-sangue”, lembra. De acordo com ela, nem todas as propriedades do governador estão em seu nome.

Leia mais aqui e assista aqui o cinecorrupção do Distrito Federal.



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade