Formulário de Busca

Deu na Veja: Dilma chora ao saber da operação de Roseana

sáb, 26/02/11
por Décio Sá |

 

 

 

Coligação de Roseana lança 500 candidatos

seg, 05/07/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

A exemplo dos outros candidatos, a governadora Roseana Sarney (PMDB) esteve no final da tarde desta segunda-feira no TRE para registrar sua chapa. Ela disse estar pronta para mais uma batalha eleitoral. “Vamos rumo à vitória. Estamos trabalhando para ganhar a eleição”, disse.

A coligação “O Maranhão Não Pode Parar” reúne 17 partidos (PT/PMDB/DEM/PRTB/PRP/PRB/PTB/PV/PP/PR/PSC/PSDC/PSL/PHS/PTN/PMN/PTdoB). São erca de 400 candidatos a deputado estadual e 84 a federal, sem contar os majoritários. O candidato vice é o petista Washington Luiz .

Roseana, Washington, João Alberto e Lobão com recibo do registro

Roseana, Washington, João Alberto e Lobão com recibo do registro

A primeira atividade de rua de Roseana deve ser a inauguração do comitê em Imperatriz na próxima semana. Ela previu gastos de R$ 40 milhões na campanha. O coordenador-geral será o prefeito de São José de Ribamar, Luiz Fernando Silva (DEM). Ele disse nesse início está apenas “ajudando” e descartou a possibilidade de pedir licença do cargo por enquanto.

Depois de muitas idas e vindas ficaram definidos os suplentes dos candidatos ao Senado João Alberto e Edison Lobão (PMDB) – Clóvis Fecury (DEM) e Ildon Marques do primeiro e Edinho Lobão (PMDB) e Pastor Bel (PP) do segundo. “Estamos marcados pela experiência e na luta. A luta não nos assusta. Vamos prosseguir com ela e com a graça de Deus chegaremos à vitória”, disse Lobão.

João Alberto desmentiu boatos espalhados por blogs ligados a seus concorrentes de que estaria inelegível por ter participado de uma reunião do Conselho de Gestão Estratégica das Políticas Públicas de Governo. Ele disse que participou do evento como vice-governador e não há nada de errado no caso.

Segundo o atual vice-governador, esse fato já demonstra o medo dos adversários com sua popularidade. “A preocupação dos adversários é muito grande comigo. Não fiz nada errado. Está tudo certinho. Nós vamos para a eleição e o povo vai decidir. Acredito na vitória porque o povo gosta de quem trabalha. A Roseana é uma trabalhadora e eu a ajudo a fazer um bom governo. O povo do Maranhão está mostrando que quer as coisas para o nosso Estado. Dentro desse diapasão é que quero ser eleito com ela e com o Lobão”, declarou.

Dino: ‘farei campanha com entusiasmo da militância’

seg, 05/07/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

O candidato do PCdoB ao Governo do Maranhão, Flávio Dino, confirmou nesta segunda-feira no TRE que esteve realmente no edifício Two Towers durante a batida policial realizada no sentido de prender o empresário Alessandro Martins (Euromar). Martins continua foragido.

Flávio Dino é observado pela vice Miosótis durante registro da chapa

Flávio Dino é observado pela vice Miosótis durante registro da chapa

Conforme o blog havia antecipado neste final de semana (reveja), ele foi ao local visitar o prefeito de Caxias e principal cabo eleitoral Humberto Coutinho (PDT). “Tenho muitos amigos que moram lá. Um deles é o Humberto Coutinho. Fui lá conversar com ele”, esclareceu.

A presença do comunista no prédio chamou a atenção de policiais, promotores e delegados que faziam buscas no local. Um apartamento no Two Towers era vendido há dois anos por R$ 2,5 milhões. Hoje está avaliado em R$ 4 milhões.

Flávio Dino registrou agora há pouco no tribunal sua candidatura pela coligação “Muda Maranhão” (PCdoB/PPS/PSB) . A candidata a vice-governadora é a professora Miosótis Lúcio (PPS). Os candidatos ao Senado são José Reinaldo Tavares (PSB) e o professor Adonilson Lima (PCdoB).

Os suplentes do ex-governador serão o presidente do PPS, Paulo Matos (PPS) e Socorro Nascimento (PCdoB). Os de Adonilson Lima são Félix Resplandes, vereador em São Raimundo das Mangabeiras, e Gilnei Baggio (ambos do PCdoB).

O comunista disse que fará uma campanha “com a marca da militância, do entusiasmo”. Ele fará a primeira atividade amanhã numa caminhada na Rua Grande. O candidato entregou uma versão sintetizada de seu plano de governo no ato da inscrição, conforme determina a legislação eleitoral.

Previu gastos de R$ 8 milhões. A coligação lançar 60 candidatos a deputado estadual e 34 a federal.

Marcos Silva critica “oposição vacilante”

seg, 05/07/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

O candidato do PSTU ao Governo do Maranhão, Marcos Silva, afirmou durante o registro de sua chapa no TRE nesta segunda-feira que fará uma campanha de “oposição de esquerda, classista e socialista” ao governo Roseana Sarney (PMDB), mas também criticou a “oposição vacilante”.

Marcos Silva, Elói Natan e Noleto registram chapa no TRE

Marcos Silva, Elói Natan e Luiz Noleto no TRE

“É a oposição sem programa que mude realmente a realidade do povo maranhense. O Maranhão não precisa só mudar a cabeça de seus dirigentes, mas as atitudes práticas na elaboração das políticas. É a oposição que por qualquer bagatela se junta àqueles que convencionalmente governam o Estado”, explicou.

Segundo ele, o principal representante deste grupo é o ex-governador Jackson Lago (PDT). Marcos Silva citou como exemplo o fato do pedetista, após eleito em 2006, ter procurado primeiramente a então senadora Roseana Sarney em seu gabinete para uma conversa. “É a trajetória política da oposição: ora estão juntos e separados sempre em torno dos interesses deles mesmos usando chavões como ‘em nome do interesse do povo’”, completou.

O candidato do PSTU definiu a candidatura do concorrente Flávio Dino (PCdoB) como “transitória” porque tem “trânsito dos dois lados”. “O PCdoB hoje é uma legenda de aluguel. O grupo do Flávio Dino alugou o PCdoB em 2006 (para desenvolver um projeto político). Eles estiveram nos dois primeiros governos Roseana”, lembrou.

Marcos Silva terá Hertz Dias como candidato a vice-governador. É a terceira vez que ele concorre ao governo. Para o Senado o PSTU está lançando Luiz Noleto e Claudicéia Durans. Os suplentes de Noleto são os militantes de movimentos sociais Maria do Carmo e Maria Sales. Os suplentes de Claudicéia são a professora Janilde Santos e o operário Valdelino Ferreira da Silva.

O PSTU está prevendo gastos de R$ 60 mil na campanha. O candidato disse que não aceitará doação de empresas. Por isso está promovendo uma rifa para arrecadar recursos, mas rechaça qualquer comparação com a feita pelo deputado Domingos Dutra (PT) anos atrás. “Essa é realizada pela direção nacional. É uma forma dos trabalhadores ajudarem as candidaturas do partido em todo país”, explicou.

Suplentes de Lobão e João Alberto indefinidos

seg, 05/07/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

clóvis fecury 050710Reviravoltas de última hora deixaram indefinidos os suplentes nas chapas dos senadores Edison Lobão e João Alberto (PMDB). Durante o final de semana, o deputado federal Clóvis Fecury (DEM) voltou a estudar a possibilidade de ser candidato à reeleição. Ele seria o primeiro suplente de João Alberto. O segundo é o ex-prefeito Ildon Marques (Imperatriz). Caso Clóvis (foto) resolva mesmo tentar sua volta à Câmara, ele deverá ser substituído pelo senador Mauro Fecury (PMDB). Entre os peemedebistas a torcida é grande para que essa articulação dê certo.

Na chapa de Lobão quem cria confusão é o candidato a segundo suplente, Heber Waldo Silva Costa, o Pastor Bel (PP). Ele quer ser candidato ao Senado de qualquer maneira, apesar do TSE ter proibido candidaturas “solteiras”. Já há um movimento para emplacar o deputado Joaquim Haickel (PMDB) em seu lugar. Joaquim seria o primeiro suplente de João Alberto, mas abriu mão da indicação para resolver o problema do DEM, que ameaçava abandonar a coligação em torno da governadora Roseana Sarney (PMDB).

Duante os últimos dias Pastor Bel confirmou e desconfirmou umas duzentas vezes junto ao próprio Lobão sua participação na chapa. Ontem ele me ligou dizendo que seria candidato ao Senado “contra tudo e contra todos”, mas estava fechado no apoio a Roseana. No final da tarde deste domingo sua assessoria divulgou matéria dizendo que se não pudesse ser candidato ele iria para “oposição”. Ou seja, aprendeu cedo o caminho dos pecadores.

Entre os aliados da governadora a candidatura ao Senado do progressista é até bem vista. É aquela história: quanto mais cabras mais cabritos. O problema é a proibição imposta pelo TSE. Pastor Bel pode até inscrever sua candidatura, mas certamente ela será indeferida. No momento em que o PP resolveu integrar a aliança “O Maranhão não Pode Parar” não existe mais PP. O que existe é a coligação.

ata PPChateado, Lobão chegou a sondar um bispo da Igreja Universal para ocupar sua segunda suplência. Pastor Bel alega que sua candidatura foi homologada em convenção. O problema é que houve uma condicional: estaria sujeita a aprovação dos outros partidos da aliança, conforme mostra a reprodução da ata da convenção acima. Na verdade, o progressista faz esse movimento todo em busca de mídia. O que ele quer mesmo é projetar seu nome visando a Prefeitura de Poção de Pedras em 2012, onde congrega.

Está começando mal sua pretensa carreira política.

Dutra é primeiro a registrar candidatura no PT

sex, 02/07/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Sabe quem foi o primeiro candidato a entregar a documentação para registro de candidatura no PT? Ele mesmo, Domingos Dutra. O deputado fez greve de fome dizendo que queria morrer para não integrar a coligação em torno da candidatura da governadora Roseana Sarney (PMDB). Em discurso na Câmara ele chegou a ameaçar se algemar em Plenário caso alguém tentasse obrigá-lo a encerrar o movimento (foto).

Dutra algemaNo auge da greve de fome do agora “companheiro” de chapa, Roseana, em almoço com jornalistas no Palácio dos Leões, afirmou não acreditar que Dutra desistisse da disputa. Acertou em cheio.

O parlamentar mandou o motorista entregar sua documentação no escritório político da corrente CNB (Construindo Um Novo Brasil) no Monte Castelo. Também protagonista de uma greve de fome, a ex-deputada Terezinha Fernandes esteve no local junto com o marido, o ex-prefeito Jomar Fernandes (PT), para entregar a papelada. A sede do PT não está sendo utilizada na operação porque os computadores sumiram do prédio. A nova direção está alugando outro local para funcionar como sede.

Os outros candidatos a federal do PT são, por enquanto, Raimundo Monteiro, presidente do partido, e Ney Jeferson. Para estadual já entegaram a documentação Francisca Primo, Antonio Erismar, Almir Bruno, Edmilson Carneiro, Frasuila Lopes, Vandson Saraiva, Coronel Ribamar Fonseca, José Inácio e Américo de Sousa. Também candidato a uma vaga na Assembleia, Bira do Pindaré diz estar com a documentação pronta mas se recusa a ir ao escritório da CNB entregar a papelada.

Dutra, apesar de estar no “chapão” comandado pelo PMDB, foi anunciado nesta sexta-feira como um dos coordenadores da campanha de Flávio Dino. O petista, aliás, parece ter sido escalado para criar confusão na campanha. Durante a covenção do PCdoB ele baixou o nível, como tem feito ultimamente, contra a família Sarney. Saiu da política para o campo pessoal usando termos impublicáveis.

A partir de segunda-feira, quando acaba o prazo de registro, vamos saber até quando a justiça eleitoral vai permitir que ele continue afrontando as regras do jogo.

TSE tumultua processo eleitoral, diz presidente do PT

qui, 01/07/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Brasília – A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de proibir a presença dos presidenciáveis no palanque eletrônico de candidatos a governador cujas coligações estaduais envolvam mais de um partido com candidato a presidente desagradou ao governo e à oposição.

José Eduardo Dutra

José Eduardo Dutra

As direções de PT, PV, PMDB e PSDB foram apanhadas de surpresa. O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, acusou o TSE de tumultuar o processo.

A decisão do TSE foi tomada em função de uma consulta feita pelo PPS sobre a disputa no Rio. O tribunal decidiu que o candidato a governador Fernando Gabeira (PV) fica impedido de fazer campanha no horário eleitoral gratuito com o tucano José Serra ou com Marina Silva, de PSDB e PV respectivamente, ambos de sua coligação.

Ontem a direção do PT correu para anular algumas coligações estaduais, na tentativa de impedir estrago na campanha na TV para Dilma, mas não deu tempo. O PT só conseguiu reverter o caso da Bahia, onde a coligação de Jaques Wagner (PT) incluía o PSL, coligado nacionalmente com o PSDB.

No caso do Acre, onde a coligação do candidato a governador Tião Viana (PT) inclui o PV, não foi possível reverter. Apesar da irritação com o TSE, o PT não vai recorrer.

— Essas decisões do TSE tomadas em cima da hora tumultuam o processo eleitoral. E é uma lei contraditória, porque outra lei diz que toda mudança de regra eleitoral tem de ser tomada um ano antes da eleição. Agora o TSE faz esses entendimentos em cima da hora, quando as coligações estão fechadas, tumultuando o processo. Disparamos todo mundo do partido nos estados para fazer um pente fino, mas não tem mais como trocar — reclamou Dutra.

No caso do PT, além de Tião Viana, que não poderá mostrar Dilma em sua propaganda na TV, o candidato do PMDB ao governo da Bahia, Geddel Vieira Lima, também não poderá aparecer com a petista. Sua coligação estadual inclui o PTB, que em nível nacional está com o PSDB.

O mesmo acontece com a candidata do PMDB ao governo do Maranhão, Roseana Sarney, que brigou tanto para ter apoio do PT. Ela não poderá aparecer ao lado de Dilma na TV, porque sua coligação inclui o DEM, que, nacionalmente, apoia Serra.

O caso do Maranhão é emblemático. Nem Dilma poderá aparecer no horário eleitoral de Roseana, nem Serra aparecerá com Jackson Lago (PDT), coligado em nível estadual com o PSDB, mas nacionalmente com o PT. Flávio Dino (PCdoB) está na mesma situação porque recebeu ontem o apoio do PPS, que apoia Serra.

— Não acho a decisão correta. Não sei se cabe recurso. Mas não vamos recorrer — protestou o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP).

O estrago será feito também no palanque eletrônico de Serra. Além da campanha de Gabeira, ele não poderá aparecer no horário de TV de André Pucinelli, candidato do PMDB ao governo de Mato Grosso do Sul com apoio do PSDB; de Jarbas Vasconcelos (PMDB), que se candidatou ao governo de Pernambuco só para lhe fazer um palanque forte; e de Joaquim Roriz, candidato ao governo do DF. PMDB e PSC estão na coligação nacional do PT.

(Com informações de O Globo).

TSE indefere nova ação de radicais do PT-MA

qua, 30/06/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Brasília - O ministro Hamilton Carvalhido (foto) negou mais um pedido de filiados e dirigentes do Partido dos Trabalhadores (PT) no Maranhão para anular resolução do diretório nacional do PT, editada no último dia 11 de junho, que decidiu pela aliança entre o partido e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) nas eleições majoritárias para o governo do estado em 2010, indicando a governadora Roseana Sarney como candidata à reeleição.

Ministro Hamilton Carvalhido negou novo pedido

Ministro Hamilton Carvalhido negou novo pedido

Conforme filiados e dirigentes do PT, a decisão questionada contraria entendimento já firmado em encontro partidário anterior realizado no estado, no qual participaram como delegados. Alegam que, na ocasião, foi aprovada coligação com o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), tendo como candidato a governador o deputado federal Flávio Dino. No pedido, eles afirmam que o órgão nacional de direção do PT “resolveu ignorar deliberação da instância regional e aprovar uma coligação estadual majoritária”.

No último dia 21, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já havia negado pedido semelhante, por entender que os autores não demonstraram sua legitimidade ativa para impetrar mandado de segurança perante o TSE, além de não fazerem prova da existência do ato supostamente abusivo, pois não anexaram ao processo documento que comprovasse a atuação deles como delegados , nem cópia da resolução questionada.

Novo pedido

Ao negar o novo pedido, o ministro reiterou que os dirigentes não comprovaram sua legitimidade para ajuizar a ação. Além disso, para a concessão do mandado de segurança, os interessados deveriam demonstrar afronta a direito líquido e certo, por meio de prova inequívoca dos fatos, por meio de documentação idônea. No entanto, o ministro ressalta que o documento apresentado, referente ao Encontro Estadual do PT do Maranhão de Definição da tática Eleitoral para as Eleições 2010, não comprova a existência nem a validade da reunião.

(As informações são do TSE).

PP reúne 4 mil e reafirma apoio a Roseana

qua, 30/06/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Com a presença de dezenas de caravanas oriundas de vários municípios do Maranhão, o PP realizou nesta terça-feira (29) a convenção estadual onde apresentou os nomes dos pré-candidatos que estarão disputando as eleições deste ano. Durante o evento o presidente do Diretório Estadual, deputado Waldir Maranhão, confirmou o apoio da legenda à reeleição da governadora Roseana Sarney (PMDB) e do candidato a vice, Washington Luiz Oliveira (PT), nas eleições de outubro.

Waldir ao lado da mãe na convenção. Foto: De Jesus

Waldir Maranhão ao lado da mãe na convenção. Foto: De Jesus

O evento reuniu cerca de quatro mil pessoas entre militantes, delegados, presidentes de diretórios municipais, deputados estaduais, vereadores e prefeitos. O candidato a vice-governador, Washington Luiz (PT),  o ex-senador Edison Lobão Filho (PMDB), o secretário de articulação política Hildo Rocha e os deputados estaduais Hélio Soares e João Batista também se fizeram presentes.

Em seu discurso, Waldir Maranhão reafirmou que o partido defende a causa da disseminação do conhecimento. Ressaltou ainda que apenas a educação pode trazer ao Maranhão e à sua população perspectivas de crescimento. Disse que fará uma campanha temática, onde a principal bandeira de luta será a disseminação da cadeia do conhecimento, através de projetos que levem educação a todos os brasileiros.

Senado

O pastor Heber Waldo Silva Costa, o Pastor Bel, também teve sua candidatura lançada ao Senado. No entanto, a exemplo do Coronel Riod, lançado pelo PTB, ele espera uma decisão do TSE de liberar candidaturas “solteiras” já que a coligação em torno de Roseana já lançou seus dois nomes: João Alberto e Edison Lobão (PMDB).

O PP Progressista estará disputando as eleições com 37 candidatos à Assembléia Legislativa e três candidatos à Câmara Federal. A legenda aparece na segunda colocação nacional com número de filiados. Dos 11,5 milhões de eleitores filiados a partidos políticos, 11% ou 1,26 milhão integram a lista de progressistas.

DEM fecha com Roseana; Clóvis Fecury será suplente de João Alberto

ter, 29/06/10
por Décio Sá |
categoria Eleições

Acabou a novela. Como previsto, o DEM acaba de fechar apoio à reeleição da governadora Roseana Sarney (PMDB). O acordo foi selado em reunião dos dirigentes da legenda com Roseana encerrada agora há pouco.

Clóvis Fecury, presidente do DEM-MA

Clóvis Fecury, presidente do DEM-MA

Pelo acerto, o deputado federal Clóvis Fecury (DEM) vai ser o primeiro suplente do candidato ao Senado, o atual vice-governador João Alberto de Souza (PMDB). Os democratas reinvidicam também a segunda suplência do senador peemedebista.

O DEM deve também integrar o chamado “chapão” da coligação em torno da governadora para os cargos de deputado estadual e federal. O partido realiza sua convenção nesta quarta-feira pela manhã na sede da legenda, no São Francisco.

A situação do DEM no Estado ficou melhor depois que o partido fechou aliança em Santa Catarina com o PMDB. Os peemedebistas catarinenses apoiarão a candidatura do democrata Raimundo Colombo. O presidente do Diretório Estadual do PMDB, Eduardo Pinho Moreira, será o candidato vice-governador (reveja).

Como o acordo foi fechado em convenção, o Diretório Nacional do PMDB resolveu não intervir no Estado.



Formulário de Busca


2000-2014 globo.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade